ACESSIBILIDADE
Acessibilidade: Aumentar Fonte
Acessibilidade: Tamanho Padrão de Fonte
Acessibilidade: Diminuir Fonte
Youtube
Facebook
Instagram
Twitter

Patrimônio que você nem imagina
SÉRIE
Patrimônio Material do Rio
08 Junho 2015 | Por Sandra Machado
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp

ladeiraDa próxima vez que precisar ir ao Centro, diminua o passo acelerado e dê uma boa olhada à sua volta: você pode estar diante de algum bem tombado, escolhido para se eternizar como um traço da fisionomia do Rio de Janeiro. Esses bens estão em praticamente todos os bairros, mas é a região central, onde começou a ocupação da cidade, que concentra o maior patrimônio.

Com 3 metros de largura e 28 de extensão, entre a Rua do Rosário e a Buenos Aires, o Beco das Cancelas preserva o traçado e a pavimentação do Rio no período colonial. A preocupação com alagamento já existia na época, como mostra uma pequena vala para o escoamento da água que corta o centro do piso revestido de lajotas de pedra. Esta, que é a menor e mais estreita das ruas da cidade, deve seu nome a duas cancelas que impediam a circulação durante a noite. No beco, funcionou o Café Cascata, contemporâneo de Machado de Assis, que ficou famoso por ser o primeiro a contratar garçonetes e a ter apresentações de uma harpista executando música erudita.

Ao lado de um dos prédios da Santa Casa de Misericórdia, na Rua Santa Luzia, 40 metros da Ladeira da Misericórdia são o vestígio remanescente do primeiro logradouro aberto no Rio, ainda no século XVI. Conhecida como Ladeira do Descanso, ou da Sé, ela conduzia ao Morro do Castelo, demolido durante a urbanização do Centro, no início da década de 1920.

Em direção à Zona Sul, fica mais um importante marco histórico: a Bica da Rainha, situada no número 381 da Rua Cosme Velho. Foi assim batizada por ter sido o ponto de parada escolhido pela rainha de Portugal, D. Maria, nos passeios que frequentemente fazia para beber as chamadas águas férreas medicinais, a partir da vinda da família real para o Brasil, no início do século XIX.

calcadaoChão de estrelas

O calçadão de Copacabana está na Avenida Atlântica desde a gestão do prefeito Pereira Passos (1902-1906). Seu desenho, em pedras portuguesas, foi inspirado num outro, chamado de Grande Mar, localizado no Largo do Rossio, em Lisboa. Nos anos 1970, Burle Marx assinou um novo projeto paisagístico, que incluiu a redefinição do ondulado original no traçado.

Para voltar ainda mais ao passado, no entanto, vale conhecer o calçamento de paralelepípedos que fica na Rua Ribeiro de Almeida, em Laranjeiras, datado do fim do século XIX. Da mesma época é a pavimentação em pé-de-moleque, preservada na Rua Santo Alfredo, na Ladeira do Viana e na Travessa Xavier dos Passos, em Santa Teresa. Este tipo de calçamento, executado com pedras irregulares, ainda pode ser encontrado em várias cidades brasileiras.

A contribuição da natureza

enseadaA Enseada de Botafogo é uma das imagens mais representativas da cidade. Nela se vê, ao fundo, os morros da Urca e do Pão de Açúcar, interligados pelo bondinho. Tanto a Praia de Botafogo, que fica em frente à enseada, quanto o Aterro do Flamengo, que se estende desde o Aeroporto Santos Dumont, resultam de sucessivos aterros realizados na área. Mas, embora esse contorno seja resultado da ação humana, foi o espelho d’água da Enseada de Botafogo que recebeu o tombamento. A vista deslumbrante se completa com as embarcações ancoradas no Iate Clube e pode ser desfrutada em uma boa caminhada ou pedalando pela ciclovia, que se bifurca, e tanto segue em direção à orla de Copacabana quanto leva à Urca.

Mais adiante, localizado cinco quilômetros ao sul do bairro de Ipanema, fica o Monumento Natural do Arquipélago das Ilhas Cagarras, composto por sete ilhas, que já apareciam nos mapas náuticos do século XVIII. Neste paraíso ecológico, se encontra uma variedade riquíssima de aves (gaivotas, fragatas e biguás, entre outras) e flores (como bromélias, orquídeas e antúrios).

As águas ao redor também apresentam uma fauna variada de peixes, crustáceos, moluscos, tartarugas e mamíferos, como golfinhos e mesmo baleias.

Produção artística é valorizada

placaFundado em 17 de fevereiro de 1951, no Méier, e mais tarde transferido para Vila Isabel, o Renascença Clube foi pioneiro nas ações afirmativas contra a discriminação racial e de gênero na cidade – dos 29 sócios fundadores da agremiação social para famílias negras, 18 eram mulheres. Eleita Miss Renascença, Vera Lúcia Couto se tornou a primeira miss negra no Estado da Guanabara, em 1964. Atualmente, o clube oferece uma programação variada de esporte e lazer para toda a comunidade. Mas o que mais atrai o público ao nº 54 da Rua Barão de São Francisco é o Samba do Trabalhador, uma roda de samba que acaba de completar dez anos, comandada pelo músico e compositor Moacyr Luz. O evento, que acontece sempre às segundas-feiras, das 16h às 21h, costuma atrair celebridades e teve o repertório transformado em CD e DVD.

gentilezaDesde 1955, a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM) funciona como um centro de preservação da memória e polo de estímulo à sétima arte. Ao longo dos anos, a instituição se estruturou em três setores principais: arquivo de filmes, centro de documentação correlata e sala de exibição audiovisual para diferentes suportes e formatos, da película ao digital. Além de organizar importantes eventos, apoia a produção e finalização de filmes e realiza a restauração de títulos brasileiros e estrangeiros. O acervo tombado, de valor inestimável para pesquisadores, tem cerca de 80 mil rolos de filmes, 60 mil mídias magnéticas e digitais, biblioteca com 10 mil volumes, arquivo com 28 mil dossiês de publicidade e imprensa, 250 mil negativos e cópias de fotografias, 22 mil cartazes de filmes e eventos, além de catálogos, equipamentos e diversos outros tipos de documentos. A maior parte desses materiais pode ser consultada também pelo público, gratuitamente.

Gentileza é a cara do Rio

Em 56 pilares do Viaduto do Caju, bem próximo à Rodoviária Novo Rio, quem chega à cidade de ônibus se depara com boas-vindas muito originais. As mensagens em verde e amarelo, pintadas pelo Profeta Gentileza na década de 1980, fazem uma crítica contundente ao capitalismo, ao mesmo tempo que invocam mais religiosidade e humanidade para o convívio urbano. José Datrino nasceu no interior de São Paulo, em 1917, e se estabeleceu no Rio nos anos 1940. Abalado pelo incêndio do Gran Circus Norte-Americano, que vitimou aplicativocerca de 500 pessoas em dezembro de 1961, passou a ter uma vida monástica e pregar a boa vontade entre os homens. A mais célebre de suas frases, “gentileza gera gentileza”, depois de apropriada pela moda praia, foi incorporada como traço da identidade carioca nos últimos anos. Durante 35 anos, o “Profeta” circulou por todas as regiões brasileiras, e faleceu perto de sua terra natal, em 1996.

Guia e aplicativo fornecem listagens

Em 2014, o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), que anualmente atualiza seu guia impresso com bens tombados na cidade, lançou também uma versão eletrônica, para facilitar a vida de quem é apaixonado pelo Rio. A ferramenta permite fazer buscas por nome, bairro ou endereço e dá até indicações sobre como chegar ao local desejado. Todas as informações da edição em papel estão disponíveis na versão eletrônica. 

Fontes: Guia do Patrimônio Cultural Carioca – Bens Tombados 2014; portal da Prefeitura; site do Clube Renascença; Jornal Extra; site Ilhas Cagarras; site Revista de História.

 
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp
MAIS DA SÉRIE
texto
Conheça a história dos personagens que viraram patrimônio da cidade

Conheça a história dos personagens que viraram patrimônio da cidade

29/03/2016

Na cidade do Rio, 1.265 monumentos homenageiam cantores, políticos, escritores e poetas. 

Patrimônio Material do Rio

texto
Os tuítes azuis do patrimônio

Os tuítes azuis do patrimônio

09/07/2015

Em entrevista ao Portal, Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), fala sobre as novas sinalizações que formam os dez Circuitos do Patrimônio Cultural Carioca.

Patrimônio Material do Rio

texto
Alerta vermelho para reservatórios tombados

Alerta vermelho para reservatórios tombados

12/05/2015

Dezenas de reservatórios são tombados. Marcos da engenharia desenvolvida no Rio, alguns deles se encontram subaproveitados, embora mereçam ser reinseridos no acervo afetivo da cidade.

Patrimônio Material do Rio

texto
Árvores integram patrimônio do Rio

Árvores integram patrimônio do Rio

13/04/2015

Elas estão por toda parte, muitas há gerações, e podem ser escolhidas para tombamento tanto por seu valor botânico quanto pela relevância como marco paisagístico de uma época.

Patrimônio Material do Rio

texto
O rico patrimônio cultural do centro do Rio

O rico patrimônio cultural do centro do Rio

13/01/2015

A partir de 1984, com a implantação do Corredor Cultural, se estruturou uma política municipal completa de proteção aos ambientes antigos. Até então, o tombamento se dava apenas para monumentos isolados, mas nunca sobre áreas compostas por diversos prédios, seu entorno e, sobretudo, que levasse em conta a afetividade ligada à memória local.

Patrimônio Material do Rio

texto
Corredor Cultural preserva memória do Rio

Corredor Cultural preserva memória do Rio

06/01/2015

Nos anos 1980, o Corredor Cultural inaugurava as políticas públicas voltadas à preservação do ambiente construído. Além de proteger o centro histórico, também originou o modelo da Apac – Área de Proteção do Ambiente Cultural. 

Patrimônio Material do Rio

texto
Uma visita ao Real Gabinete Português de Leitura

Uma visita ao Real Gabinete Português de Leitura

04/11/2014

A instituição digitalizou parte de seu acervo e oferece uma programação especial para professores e alunos.

Patrimônio Material do Rio