02 Setembro 2021
0
0
0
s2sdefault
 
Estátua de Yaa Asantewaa
Estátua de Yaa Asantewaa, do lado de fora do museu dedicado a ela, no no vilarejo de Kwaso, e que sofreu um incêndio no ano 2000 (Foto: Noahalorwu/ Creative Commons)

Yaa Asantewaa foi rainha-mãe de Ejisu, no Império Ashanti, atual Gana. Liderou a rebelião conhecida como a Guerra do Trono de Ouro, contra os colonizadores britânicos.

A guerra teve início no ano de 1900 e durou cerca de sete meses.

Assim como outros líderes, Yaa Asantewaa acabou sendo capturada pelos britânicos e exilada nas ilhas Seychelles, onde morreu vinte anos depois.

Alguns estudos sugerem que a rainha tenha se entregado para que as vidas de sua filha e de sua neta, que estavam mantidas como reféns, fossem poupadas.

O sonho de Yaa Asantewa, de ver Ashanti livre das ameaças estrangeiras, acabou se concretizando em 1957, quando Gana se libertou dos colonizadores e conquistou a independência.

Na segunda metade do século XX, Yaa Asantewa se tornou inspiração para movimentos de lutas anti-imperialistas e para a organização de movimentos feministas africanos.

Reconhecida como uma heroína nacional, ela dá nome a uma escola de Ensino Médio para meninas (Yaa Asantewaa Girls' Senior High School), inaugurada em 1960 na cidade de Kumasi, antiga capital do Império Ashanti.

Em 2000, cem anos após a guerra contra os britânicos, um museu dedicado à soberana foi inaugurado no vilarejo de Kwaso, próximo à cidade de Ejisu.

A História da África – conteúdo previsto na Lei N.º 11.645/2008 – é repleta de mulheres que tiveram grande importância e, até hoje, são símbolos de resistência e consideradas heroínas nacionais nas regiões onde viveram.

Diversas histórias são fruto da tradição oral e muitas informações não são unanimidade entre pesquisadores e historiadores. Além disso, há distorções na história contada por colonizadores europeus, especialmente no que se refere a mulheres que tiveram papel de destaque na resistência ao avanço do imperialismo.

Fontes:

Projeto Biografias de mulheres africanas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Site Rainhas Trágicas, do historiador Renato Drummond Tapioca Neto.
Site Ensinar História, de Joelza Ester Domingues.

Veja também:
Relacionados
Mais Recentes