ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Alfabetização e Letramento
Desdobrando e reinventando a escrita
Informações
Relato
Considerações Finais
UNIDADE DE ENSINO
EM Paula Fonseca - 5ª CRE
Praça Zuinara 11 - Colégio
AUTOR(ES)
Catia Regina Martins Oliveira
Eu me chamo Catia. Nasci em 1967 no Rio de Janeiro. Tenho especialização em Educação Infantil e graduação em Serviço Social, que considero uma área complementar à da educação, principalmente nos dias de hoje. Participei de capacitações em alfabetização ministradas pela Escola da Vila em São Paulo (SP) e de formações oferecidas pela Escola de Formação Paulo Freire, no Rio de Janeiro.

Atuo no magistério desde 1987. Meus 15 primeiros anos de profissão foram dedicados exclusivamente à Educação Infantil na rede privada. Os nove anos seguintes, também à Educação Infantil na rede estadual do Rio de Janeiro. Em 2004 ingressei na rede municipal de Duque de Caxias (RJ) e em 2011 na rede municipal carioca.

Neste ano letivo, estou atuando na Educação de Jovens e Adultos (EJA) na E.M. Pará (5ª CRE) em Rocha Miranda e fazendo dupla regência na E.M. Paulo Fonseca (5ª CRE) em Colégio.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Professor II
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
1103
OBJETIVOS
  • Levar as crianças a desenvolver relações entre grafemas e fonemas e a ler e reconhecer globalmente as palavras a partir de atividades lúdicas.
ANOS DE ESCOLARIDADE
1º ano
HABILIDADES
1º ano - Anos Iniciais - Organizar oralmente textos a partir do critério começo, meio e fim.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Fevereiro/2021 até Dezembro/2021

Este relato visa mostrar como a turma 1103 da E.M. Paula da Fonseca se familiarizou com o mundo letrado e construiu solidamente um processo rumo à alfabetização através de jogos, modelagens, dramatizações e brincadeiras.

Em 2021, por conta da pandemia, meu primeiro contato visual com o grupo se deu em 9 de abril, com as aulas síncronas. A partir daí, pude observar a necessidade do lúdico e do concreto no trabalho com a maioria das crianças. Mesmo atividades relacionadas ao processo de letramento vinham cercadas de músicas e brincadeiras.

No início do período, procurei proporcionar um ambiente alfabetizador, “aquele em que há uma cultura letrada com livros, textos digitais ou em papel, um mundo de escritos que circulam socialmente” , no dizer da educadora argentina Ana Teberosky (1985), que conclui: “A comunidade que usa a todo momento esses escritos, que faz circular as ideias que eles contêm, é chamada alfabetizadora”.

Nossa prática teve início desde o primeiro contato. Atividades de rotina como a apresentação dos nomes de cada criança foram oferecidas na chamadinha diária, quando elas passavam a apropriar-se dos próprios nomes e dos nomes dos colegas. Esses nomes eram desmembrados e assim as crianças formavam novas palavras.

"Todo contexto de aprendizagem

tem sequências que se repetem

(rotina), que têm alta

incidência na formação."

À medida que iam-se apropriando dessa prática, as crianças já realizavam essa construção de forma autônoma.

"As atividades podem ser

planejadas e autocontroladas

com maior ou menor grau

de autonomia."

Paralelamente às práticas de rotina, a familiarização com o alfabeto facilitou bastante o desenvolvimento das habilidades. A partir das letras do alfabeto, propus ao grupo um jogo da memória cuja regra principal era desenhar um objeto cujo nome se iniciasse por uma determinada letra. Feito isso, selecionei e digitalizei os desenhos. O jogo consistia em relacionar imagem e letra.

“Os alunos precisam

apropriar-se do sistema

alfabético para que

se tornem capazes

de ler e escrever”.

Outra ação desenvolvida foi a produção de um livro. Dividi a turma em grupos de cinco alunos e propus que cada criança criasse e produzisse personagens modeladas com argila. As crianças se uniram e criaram histórias orais das quais eu fui a escriba. Fotografei as personagens criadas e, com a impressão da obra, confeccionamos livros.

"Texto é o eixo central

das atividades de letramento".

Com base nos preceitos consignados pela Lei N° 10.639, trabalhamos a história e a cultura afro-brasileira, confeccionamos a boneca Abayomi e, oralmente, as crianças produziram diálogos a partir da personagem e de situações pessoais.

“Um dos elementos facilitadores

para uma boa prática é a contextualização".

Uma nova experiência veio da proposta de produção textual. Construímos semanalmente textos coletivos a partir dos nomes das crianças ou de fatos trazidos por elas. Com os textos que transcrevi no quadro, com questões interpretativas, as crianças retiravam em duplas as informações pedidas.

O ano de 2021 foi recheado de boas histórias, a maioria delas produzidas a partir da vivência dos alunos da turma 1103.

Esse período foi permeado pela afetividade que culminou em uma leitura e escrita criativa e autônoma.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1985.

ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; RIESGO, Rudimar dos Santos (Org.). Transtornos da aprendizagem: abordagem neurológica e multidisciplinar. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

MARTINS, Viviane Lima. O processo de letramento e da aquisição da linguagem escrita pelas crianças. Intraciência:Revista Científica, São Paulo, n.17, mar. 2019.

Jogos pedagógicos

• Gerador de histórias divertidas;

• Boca certa;

• Jogos de tirinhas;

• História: conta a sua.

Registros
IMAGENS
PDFs
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.