Processo Seletivo DAF 2021 12


08 Fevereiro 2022
 

cartelas MultiRio feed EDITAs diretrizes da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-Rio) para 2022 foram apresentadas durante a Jornada de Planejamento e Formação Pedagógica, que aconteceu entre os dias 2 e 4 de fevereiro.

O evento foi realizado pela SME-Rio, por meio da Escola de Formação Paulo Freire (EPF), em parceria com a MultiRio, com o objetivo de gerar reflexões sobre a função social da escola e de possibilitar que cada unidade escolar da Rede Pública Municipal construa, coletivamente, um plano de ação para garantir a aprendizagem de alunos e alunas.

Lives e palestras com especialistas foram transmitidas pelos canais da MultiRio e da EPF no YouTube e, também, pelo App Rioeduca em Casa. O conteúdo das palestras pode se visto em reportagens no PORTAL MULTIRIO.

“A Rede se diferencia pela sede de conhecimento dos seus profissionais. Não somos só a maior rede da América Latina, mas também a mais qualificada. É um ano para aprofundar tudo que sonhamos e acreditamos na educação e, principalmente, valorizar os profissionais que estão na ponta fazendo acontecer”, destacou o Secretário Municipal de Educação do Rio, Renan Ferreirinha.

O Secretário afirmou o desejo de melhorar a comunicação com as escolas neste ano, reforçou a importância da migração e a necessidade de convocação de profissionais, o que, segundo ele, terá sequência neste ano. Também garantiu que a formação continuada será um grande pilar da SME-Rio em 2022.
Sobre a Educação Infantil, Ferreirinha admitiu ter “mais dívidas acumuladas”.

“Não há pouco tempo, as creches estavam na Assistência Social, e não na Educação. Sabemos que as equipes gestoras das creches e dos EDIs carecem do que gostaríamos que fosse a equipe mais completa possível. Estamos atentos a isso. Queremos, juntos, fazer com que as prioridades sejam elencadas e vocês possam ter sempre dignidade de trabalho e todo o apoio por parte da Secretaria para fazer o que vocês são brilhantes: educar”, garantiu.

O Secretário de Educação Renan Ferreirinha (Imagem: Reprodução/ YouTube)

O Secretário falou, ainda, sobre algumas iniciativas, como o programa de saúde mental para professores, lançado em 2021, e o projeto RioAprende+. Reforçou a importância da alfabetização na hora certa e de se corrigir a distorção idade-série entre os alunos.

Partindo da experiencia na Bienal do Livro, Ferreirinha falou sobre a vontade de promover festivais literários e até de fazer com que as Salas de Leitura possam ter centralidade pedagógica nas escolas.

 

Ensino: RioAprende+ reúne política pedagógica de 2022

A Subsecretária de Ensino, Teca Pontual, destacou o planejamento estratégico para 2022.

“O RioAprende+ é nosso grande guarda-chuva para toda política pedagógica trabalhada na Subsecretaria de Ensino neste ano. A proposta é assegurar a aprendizagem na idade certa com equidade, expandindo um modelo de escola em tempo integral, inclusivo e inovador”, explicou.

Teca Pontual apresentou algumas metas da Secretaria para este ano, como, por exemplo: estar entre as melhores capitais no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb); reduzir em 25% a desigualdade na aprendizagem entre as escolas da Rede; aumentar para mais de 90% os estudantes alfabetizados até o 1º ano; e oferecer reforço escolar em 100% das escolas.

A Subsecretária afirmou que o Currículo Carioca Priorizado ainda será trabalhado em 2022, nos materiais, na formação e na avaliação. E anunciou que será iniciado o processo de revisão do Currículo Carioca para a Educação Infantil e para o Ensino Fundamental. O currículo referente à Educação de Jovens e Adultos (EJA) já foi publicado em 2021 e será trabalhado neste ano de 2022.

“A revisão curricular deve ser iniciada por meio de consulta pública bastante ampla, com a escola e a sociedade civil, para que o currículo seja motivador, engajador, traga relevância e significado para a escola. Para que os alunos vejam significado no que estão fazendo e que isso seja um motivador para eles irem à escola. Reforçamos e convocamos todos a participar desse processo de revisão curricular”, convida Teca Pontual.

Sobre a formação continuada, a Subsecretária adiantou que haverá, também, encontros presenciais, principalmente entre as lideranças pedagógicas da escola. A ideia é que sejam realizadas ao longo de todo o ano letivo.

A Subsecretária de Ensino Teca Pontual apresentou o planejamento estratégico para 2022 (Imagem: Reprodução/ YouTube)

De acordo com Teca Pontual, a alfabetização e o reforço serão estratégias prioritárias ao longo de 2022.

“Temos que começar o processo da escolarização do aluno no Ensino Fundamental com o pé direito, para que essa trajetória se transcorra da forma esperada, sem atrasos e repetências, que podem gerar distorção idade-série e acabam tornando o processo mais desafiador e mais complexo para o aluno e para o professor”, afirma Teca, acrescentando que o Município aderiu ao Programa Tempo de Aprender, do Governo Federal, que possibilita que as escolas tenham assistentes de alfabetização.

Teca Pontual destacou, ainda, a importância dos projetos de recomposição de aprendizagem e de correção de fluxo, Projeto Travessia e Carioca I e II; e dos projetos voltados a educação socioemocional, Projeto Base e Espaço de Ser.

Com relação aos recursos pedagógicos impressos, foram listados o Material Rioeduca, livros do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), o acervo literário e o ReforçoRio. Já entre os digitais, o aplicativo Rioeduca em casa, com o Material Rioeduca, a Rioeducopédia e o Rioeduca na TV, além, também, do ReforçoRio.

Rodas de leitura, eletivas 1 e 2, estudo orientado e protagonismo (no turno único) fazem parte das ações voltadas para os Anos Iniciais, segundo a Subsecretária. Para os Anos Finais, círculos de leitura, projeto de vida, projetos integradores, estudo orientado, tecnologia e inovação integram as ações.

“Tudo isso tem o intuito de dar suporte a unidades escolares e fazer com elas se tornem oásis de acolhimento, de pertencimento e de aprendizagem, principalmente. De transformação das vidas dos nossos alunos”, conclui.

Segundo ela, o ano letivo se inicia tendo como ponto de partida o resultado das avaliações, que deverá pautar o plano de ação. O documento orientador e o calendário pedagógico do ano letivo já foram disponibilizados pela SME-Rio.

Dúvidas e outras questões podem ser enviadas ao Núcleo Central por meio do e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Vem Pra Escola! estreia no Rioeduca na TV

O programa Vem Pra Escola! vai ao ar durante o mês de fevereiro na faixa de programação do Rioeduca na TV. Em transmissões ao vivo, professores respondem a questões sobre perspectivas do ano letivo, projetos especiais, material didático, recursos disponíveis para a comunidade escolar e como acessá-los, além de mostrarem o que há de novo no app Rioeduca em Casa.

Os programas são abertos à participação dos alunos durante as lives. Os estudantes podem enviar perguntas por meio do chat do aplicativo ou pelo WhatsApp (21 - 99184-4948).

Vem Pra Escola! vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 15h45. Às sextas, há dois programas, às 9h30 e às 15h45. A transmissão acontece na TV aberta (Band - canal 7.2), na TV a cabo (canal MultiRio - 26 e 526 da NET/Claro) e também no YouTube da MultiRio ou nos canais de Tira-Dúvidas do app Rioeduca em Casa.

Protocolos sanitários na volta às aulas e vacinação

No segundo dia da Jornada de Planejamento, os secretários municipais de Educação, Renan Ferreirinha, e de Saúde, Daniel Soranz, reforçaram a importância da vacinação de alunos e de profissionais da Educação e orientaram sobre os protocolos sanitários adotados por conta da pandemia de Covid-19.

Ferreirinha informou que houve um investimento alto para adequação do espaço escolar, com visitas e apoios dos integrantes de um comitê científico.Segundo o Secretário de Educação, os protocolos na escola são mais conservadores do que na sociedade e, mesmo em espaços abertos, é obrigatório o uso de máscaras.

“Nas nossas escolas temos um rigor maior porque também queremos passar uma situação de conscientização para a sociedade. É um processo educativo. A escola tem um papel de conscientização”, afirma, garantindo que máscaras PFF2 serão distribuídas para todas as escolas.

O Secretário disse, ainda, que haverá ensino remoto funcionando de forma assíncrona, para crianças ou profissionais de Educação, caso venha a ser necessário por conta dos protocolos.

O Secretário de Saúde Daniel Soranz orientou sobre os protocolos sanitários a serem seguidos pelas escolas (Imagem: Reprodução/ YouTube)o

Daniel Soranz, Secretário de Saúde, reforçou a importância de que todos cumpram os protocolos e destacou que a testagem é fundamental.

“Neste novo protocolo estimulamos muito que quem tenha sintomas se teste. Todas as escolas tem uma Clínica de Família ou Centro Municipal de Saúde de referência para essa testagem. O diretor da escola combina com diretor da clínica. É possível testar na unidade de referência escolar ou do domicílio, onde as crianças ou profissionais estão morando”, explicou Soranz.

“É importante que qualquer pessoa que apresente sintomas respiratórios seja isolada e se teste. Não é necessário isolar todos os contactantes, somente os sintomáticos, mesmo se testarem negativo”, completou.

Segundo Soranz, será montada uma estratégia de busca ativa das crianças nas escolas para marcar datas específicas para a vacinação.

“Claro que os pais precisam autorizar, caso não estejam presentes. Eles irão preencher uma ficha autorizando, até para que uma mesma criança não se vacine mais de uma vez. E o ideal é que apresentem a caderneta de vacinação para atualizar outras vacinas”, ressaltou.

O Secretário de Saúde enfatizou a importância de os profissionais de Educação orientarem as crianças sobre o uso correto da máscara e a higiene das mãos, sobre como a doença se comporta e sobre a dinâmica do vírus.

Eleição do CEC

Marcelo Fernandes do Nascimento, da Coordenadoria de Apoio à Gestão Escolar (Cage), falou sobre a realização da eleição do Conselho Escola Comunidade (CEC), que se dará no mês de fevereiro.

“É importante que a escola pare pra refletir o que espera desses representantes, dessa parceria com a associação de moradores. Não alguém que concorde de tudo, mas alguém que dialogue, reconheça e se envolva nas necessidades da escola.”

Marcelo Nascimento também frisou a importância da busca ativa, de os profissionais de Educação buscarem informações sobre os alunos no entorno da escola.
“Para nós, é muito importante que o aluno esteja na escola. É, sobretudo, um compromisso social”, disse.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes