Da série
Palácios da Cidade
21 Agosto 2017
0
0
0
s2sdefault
 

 

O casarão tem telhados bem inclinados e próprios para regiões em que neva (Fonte: mare.nce.ufrj)

A apenas 300 metros de distância da Ilha de Paquetá – provavelmente o mais bucólico dos bairros do município do Rio de Janeiro – fica a Ilha de Brocoió. Em tupi-guarani, a palavra significa “sussurro”. Acredita-se que, antes da colonização portuguesa, servisse como local de exílio para índios rebelados. E sabe-se que, nos tempos da escravidão, o lugar era usado como uma das paradas de quarentena, antes que os negros cativos da África desembarcassem na cidade. Durante o período colonial – quando a cal, misturada ao óleo de baleia, servia de base para as construções –, a ilha também serviu para a produção caieira. Segundo historiadores, ela foi descoberta por André Thevet, cosmógrafo integrante da expedição de Nicolas Durand de Villegagnon, que, em 1555, fundou no Rio a França Antártica. 

A Ilha de Brocoió foi o último local de resistência de Villegagnon na cidade do Rio, em seu projeto de fundação da França Antártica. Este mapa data de 1555 (Fonte: Wikipedia)

Foi apenas a partir da aquisição da área pelo empresário brasileiro Octávio Guinle e da atuação de outro francês que Brocoió inaugurou seu período de apogeu. O magnata encomendou ao arquiteto Joseph Gire, um dos mais renomados à época, o projeto de uma mansão, que ficou pronta em 1932 e até hoje é a única em estilo normando em toda a América Latina. Os materiais utilizados vieram da França e de Portugal. Um enorme órgão, que possui um mecanismo capaz de executar sozinho um grande acervo de partituras clássicas, foi trazido da Alemanha. Além dos dois andares residenciais, a edificação tem também um sótão e um porão. Ainda fazem parte do complexo uma casa para o administrador, um depósito, uma estufa, um abrigo para lanchas, um píer, um viveiro de peixes e um lago. 

Em 1944, durante a gestão de Henrique Dodsworth, a ilha foi comprada por seis milhões de cruzeiros pela Prefeitura do Distrito Federal, para ser de propriedade do estado da Guanabara. A promessa de que o local seria aberto à visitação pública, repetida por muitos governantes desde então, jamais se realizou. Transferida para o governo do estado, a propriedade serviu como residência de verão para algumas autoridades e, em 2016, foi repassada para o Rioprevidência, deixando de ser de titularidade do Poder Executivo. Com o acesso marítimo desativado, a única maneira de se chegar à ilha, atualmente, é de helicóptero.

Aves por toda parte 

O palácio foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) em 1965 (Fonte: noticias.R7.com)

Durante muito tempo, o local foi frequentado por faisões e pavões, que passeavam soltos no jardim projetado por Joseph Gire. Mas também por políticos, e não apenas para comemoração ou descanso. Nos anos 1960, por exemplo, o governador Carlos Lacerda costumava trabalhar no escritório da suíte, que tem vista privilegiada para a Cidade Maravilhosa. O banheiro, logo ao lado, é uma verdadeira obra de arte. Numa mescla dos estilos art déco e art nouveau, a banheira e as pias foram esculpidas em blocos únicos de mármore de Lioz em tom amarelo e adornadas com torneiras de bronze em forma de pássaros.

 

Fontes:

BULCÃO, Clóvis. Brocoió, a ilha misteriosa. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015.

Site do Governo do Estado

Mídias Relacionadas
Palácios da Cidade
Mais da Série
Relacionados
Mais Recentes