ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Educação das Relações Étnico-Raciais
Refletindo sobre um novo olhar!
Informações
Relato
Resultados Observados
TEMÁTICA SELECIONADA
  • Práticas de educação das relações étnico-raciais
UNIDADE DE ENSINO
EDI Coronel Assunção - 4ª CRE
Rua Paranapanema 1001 - Olaria
AUTOR(ES)
Comunidade escolar

Nosso grupo é formado por 10 professores de Educação Infantil (PEIs), um professor-adjunto de Educação Infantil (Paei), um professor I (PI) de Educação Física, uma diretora e uma diretora-adjunta mais 105 crianças de pré-escola (com idades entre quatro e cinco anos).
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Professor II/ PEI/ PAEI/ PI
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
Pré I
Educação Infantil
OBJETIVOS

Os objetivos desta ação são:

  • explorar e proporcionar experiências em que as crianças se compreendam como agentes de transformação, reconhecendo que o mundo é plural e cheio de diversidade;
  • aproximar naturalmente as crianças para a temática sobre negritude e racismo para fomentar a representatividade negra na infância e pensar a construção de um entendimento que precisa ir além das semelhanças entre os pares; e
  • reverberar dentro e fora do espaço escolar, problematizando pautas antirracistas através de referências negras positivas, compartilhando o aprendizado para além dos muros do EDI.

Este projeto foi pensado a partir de uma roda de conversa em que algumas meninas supervalorizavam os cabelos lisos de uma amiguinha loira, de pele branca e comparavam os cabelos dela a fios de ouro. Essas crianças não se reconheciam como bonitas, principalmente nos cabelos e na cor da pele.

Iniciamos com propostas pedagógicas que promovessem narrativas segundo as quais as crianças pudessem ter contato com suas histórias pessoais, de suas famílias, sua ancestralidade, levando à sua valorização e ao seu reconhecimento identitário na sociedade.

HABILIDADES
Educação Infantil - Educação Infantil - Conhecer-se por meio das ações de autocuidado e das narrativas promovidas pelos educadores e seus cuidadores.
Educação Infantil - Educação Infantil - Participar de momentos destinados a resgatar a história de um personagem simbólico para as vídeo aulas, brincando com objetos do cotidiano e atribuindo a eles função social.
Educação Infantil - Educação Infantil - Reconhecer-se enquanto sujeito pertencente a um grupo social que respeita e é respeitado por sua maneira de ser e de agir.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Agosto/2022 até Outubro/2022
PÁGINA(S) DA PRÁTICA/PROJETO NA INTERNET

Ações desenvolvidas:

  • Propor às crianças que se olhem no espelho e descrevam suas características; perguntar se elas se acham bonitas;
  • Pedir que façam um autorretrato;
  • Pedir que uma criança vende os olhos e toque o rosto de um colega e este, de olhos vendados, perceba as características daquela criança e tente adivinhar quem é. Pedir a ambas para desenhar o colega em uma folha de papel ou representá-lo com massinha de modelar;
  • Fazer os seguintes questionamentos às crianças: se são iguais ou diferentes, se a cor da nossa pele é igual, se nossos cabelos são iguais. E se todo mundo fosse igual, seria bom ou ruim?
  • Trazer imagens de diversos tipos de pessoas/bonecas de cores diferentes para analisarmos;
  • Procurar em revistas e jornais pessoas que se pareçam com as crianças (representatividade). E em casa? Tem mais boneca branca ou preta?
  • Fazer um gráfico referente à quantidade de pessoas brancas e pretas que está na revista;
  • E na escola? Tem mais pessoas brancas ou pretas?
  • Explicar às crianças que somos uma mistura de vários povos, que inclui os africanos;
  • Procurar no globo terrestre onde fica localizada a África e conversar com as crianças sobre história da África e sobre escravidão;
  • Fazer um videoclipe a partir de vídeos com as crianças mostrando seus cabelos;
  • Na sala de leitura, colocar livros de autores brancos e pretos e pedir para que as crianças escolham que histórias querem pegar para ler. Desenhos (Pantera Negra, Homem Aranha, Capitão América, Mulher Maravilha...);
  • Levá-las a refletir sobre os motivos pelos quais existe pouca representatividade negra. Antigamente a cultura dos brancos, da elite, era mais valorizada do que a cultura dos negros, que era tratada como inferior, como algo ruim. Daí o racismo;
  • Falar sobre preconceito/racismo por meio de vídeo sobre racismo;
  • Mostrar que existem muitos negros que são importantes para a sociedade; e muitos outros que já foram tão importantes (representatividade) quanto na música, na arte, na literatura;
  • Fazer cartaz para que as crianças coloquem seus rostos com frases positivas como “Eu me amo!” “Eu me valorizo!” “Eu sou lindo(a)!”.

As crianças, ao final, já estavam se valorizando, reconhecendo a história africana através da ancestralidade. Começaram a se ver representadas racialmente no mundo de hoje, reconhecendo a importância da igualdade racial e sua representatividade social.

Também observamos que as crianças reverberaram em suas famílias a pauta da diversidade, valorizando cabelo, cor de pele etc. Daí a importância da ressignificação e da construção de uma conscientização e valorização da cultura e estética do negro.

Registros
IMAGENS
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.