ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Logo Cartografias
Boas Práticas
Apoio Interdisciplinar do NIAP/PROINAPE
A poesia que inspira e transforma
Informações
Relato
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
EM Celestino da Silva - 1ª CRE
Rua do Lavradio 56 - Centro
UNIDADE ESCOLAR VOCACIONADA
Unidade não vocacionada
AUTOR(ES)
Andreia Carla Cerqueira Morais Salgado, Erika da Silva Philippini e Maurício Pereira de Mattos
Andreia Morais é mestre em Ensino de Artes Cênicas pela UNIRIO. Professora de Artes Cênicas da Rede Municipal do Rio de Janeiro, onde atua no NIAP/PROINAPE. Em 2019/2020 foi bolsista do Programa de Bolsas da SME. Em 2023 participou do livro: "Arte na linha de frente” com artigos escritos por professoras/es egressas/os do programa em parceria com docentes do PPGEAC.
Erika Philippini é assistente social do NIAP/PROINAPE, formada pela UFF, com especialização na Área de Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes da USP. É autora do artigo “Vulnerabilidade, violência de gênero e HIV/DST-AIDS (2004)”.
Mauricio Mattos é psicólogo do NIAP/PROINAPE, graduado pela UERJ, com mestrado em Saúde Pública e especialização em Análise Institucional; cursa o doutorado em Saúde Pública no PPGSP/Fiocruz e participa do Coletivo de Estudos e Apoio Paideia. Atua também na gestão do NASF de Maricá/RJ.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Andreia Morais - Professora, Erika Philippini - Assistente Social e Maurício Mattos - Psicólogo
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
6º ano
OBJETIVOS

O trabalho com a "poesia falada" foi realizado na unidade escolar no ano de 2022, a partir do interesse de uma professora regente de língua portuguesa em utilizar a metodologia com turmas de 6º ano em parceria com a equipe PROINAPE que atuava na escola.

O principal objetivo foi desenvolver um projeto com o dispositivo da “poesia falada” partindo do pressuposto que o uso da referida metodologia no processo pedagógico fortalece e contribui com o desenvolvimento da leitura, escrita e oralidade, além de ser um dispositivo usado para interpretação e expressão dos alunos/as. Segundo Fronckowiak (2005, p.3) “a contribuição da poesia na aprendizagem da leitura e escrita é relevante porque ela é essencialmente um texto para ser oralizado”.

HABILIDADES
6º ano - Língua Portuguesa - Ler com fluência e expressividade textos de diferentes gêneros discursivos, identificando os mecanismos de coesão e coerência.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Março/2022 até Outubro/2022
array(1) { [0]=> object(stdClass)#13754 (3) { ["descricao"]=> string(28) "Referências Bibliográficas" ["valor"]=> string(346) "FRONCKOWIAK, A. Como andar sem poesia? – A leitura de poemas na Educac?a?o Infantil. Anais do II Colo?quio “Leitura e Cognic?a?o” do Programa de Po?s-graduac?a?o em Letras da UNISC. Santa Cruz do Sul, 2005. SORRENTI, S. A poesia vai a? escola – Reflexo?es, comenta?rios e dicas de atividades. Belo Horizonte: Aute?ntica Editora, 2009. " ["posicionamento"]=> string(1) "3" } }

Analisando as possibilidades de atuação na EM Celestino da Silva em 2022, percebeu-se o potencial dos estudantes das 2 turmas do 6º ano - totalizando 65 estudantes - para trabalhar com Poesia Falada, além do interesse e proximidade da professora de língua portuguesa - que havia participado da formação de Poesia Falada oferecida pelo NIAP no ano de 2020. Parte-se do pressuposto que o uso da referida metodologia no processo pedagógico fortalece e contribui com o desenvolvimento da leitura, escrita e oralidade, além de ser um dispositivo usado para interpretação e expressão dos estudantes.

Entendendo que no contexto desta unidade escolar existiam conflitos entre alunos decorrentes de questões de gênero e seus papéis atribuídos socialmente na contemporaneidade, optou-se por iniciar a intervenção a partir da proposição dessa discussão. Os recursos metodológicos utilizados no projeto foram: vídeos temáticos; material impresso, como livros, poesias e letras de música; dinâmicas de grupo, jogos e técnicas teatrais; rodas de conversa; processos avaliativos, dentre outros. Incialmente, a equipe lançou mão de materiais audiovisuais, poesias e letras de músicas para disparar as reflexões com alunas e alunos. Inicialmente, as atividades foram desenvolvidas com a utilização de vídeos e textos poéticos sobre desigualdade de gênero, em encontros semanais. Além disso, trabalhou-se com outras poesias relacionadas a adolescência, racismo, bullying, dentre outros assuntos relevantes. No segundo momento, foram utilizadas imagens impressas distribuídas para os participantes, com uma diversidade de temáticas e expressões, com vistas a possibilitar múltiplas leituras, interpretações e olhares. Também foi utilizada a linguagem teatral - com jogos oriundos do projeto do NIAP “O Corpo Expressivo no espaço escolar” - para promover a integração, desinibição e expressão dos estudantes.

Ao se iniciar o exercício da leitura de poesias com os grupos, percebeu-se que algumas alunas e alunos já produziam seus próprios textos poéticos, e que outros despertavam interesse para esse modo de escrita. Em função do contexto favorável, a equipe decidiu fomentar a produção de poesias autorais, com objetivo de estimular a potencialidade e o protagonismo dos alunos no processo artístico, criativo e crítico. “[...]A inspiração está longe de ser a condição única para construção de um bom texto poético. É sabido que ela ajuda muito e pode até constituir a força primeira para a criação do poema, mas sozinha não vai muito longe. O fazer poético depende da imaginação e do trabalho artesanal com a palavra”(SORRENTI, 2009. P. 50).” Então, solicitou-se aos estudantes que criassem poesias a partir do que as imagens suscitavam. O processo resultou na produção de uma coletânea de textos poéticos dos alunos das turmas 1601 e 1602, com mais de 20 poesias.

Avaliamos que o projeto teve um desenvolvimento importante e positivo, visto que contribuiu de forma relevante no processo de escolarização dos estudantes, ao provocar o exercício da elaboração de uma escrita subjetiva. Outro efeito observado foi a instauração de um clima poético na escola, que resultou na criação de um coletivo de poetas e na premiação de alunos em concurso desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação, em comemoração aos 200 anos da Proclamação da República do Brasil. Destaca-se os processos autônomos da unidade escolar, que se apropriou efetivamente da ferramenta pedagógica em diferentes contextos educacionais.
Referências Bibliográficas

FRONCKOWIAK, A. Como andar sem poesia? – A leitura de poemas na Educac?a?o Infantil. Anais do II Colo?quio “Leitura e Cognic?a?o” do Programa de Po?s-graduac?a?o em Letras da UNISC. Santa Cruz do Sul, 2005.

SORRENTI, S. A poesia vai a? escola – Reflexo?es, comenta?rios e dicas de atividades. Belo Horizonte: Aute?ntica Editora, 2009.

Registros
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.