ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Educação Infantil
EI 41 NA ÁFRICA - O ENCANTAMENTO CULTURAL AFRICANO
Informações
Relato
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
EM Diogo Feijó - 2ª CRE
Estrada da Paz 1474 Casa 02 - Alto da Boa Vista
UNIDADE ESCOLAR VOCACIONADA
Unidade não vocacionada
AUTOR(ES)
SIMONE FERREIRA DOS SANTOS
Sou professora e comecei a dar aula com 17 anos para uma turma de 1º ano do Ensino Fundamental. Fiz o Curso Normal em nível médio, especialização em Educação Infantil no Instituto de Educação do Rio de Janeiro (IERJ) e Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Veiga de Almeida (UVA). Trabalhei por 23 anos na Rede privada com Ensino Fundamental e Educação Infantil. Atuei como professora, coordenadora e como professora de Artes. Em 2019 ingressei na Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro através de concurso público, como professora de Educação Infantil. Em 2022 defendi minha dissertação no Mestrado Profissional do Programa de Pós- graduação em Ensino de Educação Básica (PPGEB) do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
PEI - PROFESSORA DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
Pré I
OBJETIVOS
O projeto “EI 41 na África” envolveu e promoveu às crianças o encanto e as belezas do continente Africano, através da apresentação da cultura, histórias e de nossa origem promovendo reflexão e coibindo o preconceito e o racismo. Tendo como base o PPA (Projeto Pedagógico Anual) da escola, intitulado “Nossas Raízes – O Encantamento Cultural Africano”, a lei 10.639/03 que tem por obrigatoriedade, incluir no currículo das escolas o ensino da cultura africana, afro-brasileira e o livro “Bia na África de Ricardo Deguer, alguns objetivos foram traçados como vivenciar a cultura Africana através de brincadeiras, vídeos, músicas, dramatizações e da literatura, valorizar as características das crianças e a nossa ancestralidade e demonstrar empatia pelos outros, percebendo as diferenças na cor da pele e as semelhanças.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Agosto/2022 até Dezembro/2022

No Ei 41 da Diogo Feijó usamos a metodologia de projetos, para trabalhar com as crianças de forma significativa. No ano de 2022, aproveitando o projeto pedagógico anual da escola “Nossas Raízes – O Encantamento Cultural Africano”, arrumamos nossas malas e iniciamos uma viagem rumo ao encanto do continente Africano.

Iniciamos a leitura do livro “Bia na África” e junto com ela conhecemos países Africanos e um pouco da beleza e da cultura desses lugares.

Arrumamos nossas malas, fizemos nosso passaporte, reservamos nosso primeiro hotel em Angola (confeccionado com caixas de papelão), e assim, através de vivências lúdicas, desenvolvemos as habilidades dos diversos campos de experiências da BNCC. Um aeroporto foi improvisado, um avião feito com caixas de papelão e um skate saiu do Brasil e nos fez atravessar o Oceano Atlântico rumo ao continente africano, através de um planisfério desenhado no chão do pátio.com

Observamos os mapas do Brasil e da África, suas semelhanças e algumas das cidades e países. Entender a cartografia nos permitiu ler e interpretar a realidade e fez com que as crianças se localizassem em diferentes espaços desenvolvendo a alfabetização científica.

Através do passaporte vivenciamos o processo de autoconhecimento e a construção da identidade para que nos percebêssemos como indivíduos, conhecendo nossas características, semelhanças e diferenças.

O grande dia chegou! Pegamos as malas, passaportes e fomos para o aeroporto. Entramos no avião e com o apoio de vídeos de decolagem, aterrisagem e voos, nossa imaginação foi se transformando em realidade e chegamos em Angola.

Confeccionamos um dicionário afro-brasileiro com palavras de origem africana. Dessa forma, ampliamos e valorizamos nossa cultura, os conhecimentos sobre o alfabeto e sua função social.

Em Angola, fizemos um safári e com o apoio da realidade virtual 3D da plataforma Google, imaginação e realidade se misturaram e conhecemos animais como o leão e a girafa.

No Egito conhecemos as pirâmides, os camelos e as múmias dos faraós. As crianças ficaram muito curiosas e se encantaram ao descobrir como as múmias eram feitas. “Múmia colorida” do grupo Violúdico foi o hit do momento naquele ano. As crianças se enrolaram em papel branco para viver um dia de múmias. Construímos uma pirâmide utilizando blocos de papel de diversos tamanhos, cabos de vassoura e TNT. Desafios matemáticos, como qual bloco colocar na base ou no topo da pirâmide (pequenos ou grandes) foram solucionados através das experimentações.

Outra experiência vivida pelas crianças foi a visita de um tocador de atabaque. Ele contou a história do tambor e as crianças puderam tocar e vivenciar mais essa cultura trazida da áfrica para o Brasil.

Para finalizar o projeto, fizemos uma exposição. Compartilhamos com a comunidade escolar, toda a experiência vivida por nossa turma, que se mostrava extremamente orgulhosa em explicar todos os elementos de que se apropriaram, afinal, foram protagonistas de todo o processo.

Com o projeto “EI 41 na África”, foi possível vivenciar experiências positivas desse continente e de nossos ancestrais. Trazer os encantos da cultura Africana para o cotidiano permitiu a desmistificação de preconceitos. Incluímos em nossa escola o ensino da cultura afro-brasileira como determina a lei 10.639/03 constituindo cidadãos que conhecem, entendem e respeitam as diversas culturas. Relatos trazidos pelas famílias mostraram como a comunidade escolar se apropriaram do projeto: “Está sendo maravilhoso viajar para o Egito, conhecer pirâmides, os camelos e as múmias” (pais de I.); “Ele está preocupado com a viagem para África. Me perguntou como vai viajar e ficar longe da mãe” (mãe de L.E.) “Aqui em casa, aprendemos que o leão e a girafa não são do Brasil.” (pai de G.)

Trabalhar uma abordagem baseada em projetos estimula uma visão interdisciplinar do conhecimento, uma aprendizagem através da experiência, o desenvolvimento da autonomia e a apropriação do conhecimento.

Registros
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.