ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Educação de Jovens e Adultos
Ser EJA pelas Bionas - Bionarrativas Sociais
Informações
Sequência Didática
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
EM Gonçalves Dias - 1ª CRE
Campo São Cristóvão 115 - São Cristóvão
UNIDADE ESCOLAR VOCACIONADA
Unidade não vocacionada
AUTOR(ES)
José Henrique de Almeida Cereja
José Henrique de Almeida Cereja
Licenciado em Ciências Biológicas pela FFP-UERJ e Mestre em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade pelo PPGEAS/FFP-UERJ. Professor desde 2005, trabalhou em municípios como Cabo Frio (SME), Caxias e Nova Iguaçu (SEEDUC). Leciona desde 2010 na SME Rio e 2013 na SME Maricá. Na SME Rio já trabalhou como regente em turmas de Aceleração por quase 5 anos e atualmente leciona nas turmas do PEJA, desde 2019.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Professor I - Ciências
EJA/Bloco
EJA II Bloco 1 e EJA II Bloco 2
COMPONENTE CURRICULAR
CIÊNCIAS / Analisar o conceito de sustentabilidade no âmbito individual e coletivo do sujeito, considerando a relação entre a degradação dos ambientes com contexto político, econômico e sociocultural nos quais a sociedade está inserida.
CIÊNCIAS / Estabelecer as diferenças, conexões e diálogos entre o conhecimento científico e o conhecimento popular.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Março/2023 até atualmente
PÁGINA(S) DA PRÁTICA/PROJETO NA INTERNET
Problematização

Nas primeiras aulas de elaboração das Bionas, foram levantadas algumas questões e algumas perguntas embasaram o debate inicial: como vocês acham que trabalha um(a) cientista? Conhecem algum(a)? Já esteve pessoalmente com algum(a)? E cientistas brasileiros, conhecem, lembram-se de algum nome? E cientista nordestino(a)? E cientista negro(a)?

A partir destas questões iniciais, começamos um trabalho de reflexão e pesquisa sobre a vida e a obra de cientistas do nosso nordeste, que serviu de “carro-chefe” para que pensássemos na possibilidade de construção de outras Bionas envolvendo aspectos bio-diversos, em distintos diálogos com os conhecimentos científicos nas aulas de Ciências. O trabalho das Bionas sobre Cientistas do Nordeste é um dos que foram compartilhadas no mural virtual Padlet, além de outros que estão em desenvolvimento e compartilhamento no mesmo espaço virtual.

Texto base
Nesta primeira Bionarrativa Social,os estudantes desenvolveram resenhas em seus cadernos após pesquisarem na internet as histórias de vida dos cientistas nordestinos, até que escolhessem aqueles que gostariam de escrever e a narrar as suas histórias de vida e obras científicas. Alguns textos foram utilizados como embasamento teórico do professor no desenvolver da sua prática, como os citados a seguir.Textos-base do livro Vidas que Ensinam, O Ensino da Vida. Organizadores: Marcia Serra Ferreira et al.-São Paulo: Editora Livraria da Física, 2020.-Coleção Ensino de biologia).Textos-base do livro Pedagogia do Oprimido-Paulo Freire; Textos-base do livro: Bionas Para a Formação de Professores de Biologia. Organizador: Danilo Seithi Kato
Desenvolvimento

O trabalho desta pesquisa e redação inicial levou umas 3 semanas, resultando na coleta de informes sobre a história de vida dos escolhidos por eles e elas. As ferramentas utilizadas foram sites da internet através dos notebooks da escola e celulares próprios, em pesquisas individuais e também em grupos. Nas duas semanas seguintes, desenvolveram as narrativas da vida e da obra dos cientistas a partir do seu território, de cultura nordestina muito viva, considerando aspectos bioculturais nordestinos, de forte importância na construção cultural do Rio de Janeiro e, em especial, do bairro de São Cristóvão. Assim, evidenciou-se a a percepção dos estudantes sobre a importância da cultura na sua formação e na formação destes cientistas, cujo foco é a biodiversidade. Cada narrativa foi desenvolvida através de textos, histórias em quadrinhos, livretos tipo “literatura de cordel”, de acordo com o tipo de escolha de cada grupo ou estudante individualmente. Os seus produtos foram fotografados e transformados em vídeo e pdf.

OBS: Deixo destacado que os textos dos(as) estudantes estão em fase de construção, portanto em constante supervisão e revisão do professor

Produto Final
Material em PDF e vídeo no Tik Tok.
Objetivos das Orientações Curriculares da EJA
Estabelecer as diferenças, conexões e diálogos entre o conhecimento científico e o conhecimento popular.
Sensibilização/Contextualização para o tema
Como um professor sensível à nossa diversidade cultural, que respeita as diferenças e que procura propor reflexões e debates sobre aspectos das desigualdades do nosso país, procuro rotineiramente desenvolver práticas que objetivam combater as injustiças desta desigualdade social através do diálogo biocultural, cujo trabalho visa desenvolver o ensino de Ciências conforme os anseios da nossa biodiversidade. Como pesquisador, também sou componente do grupo de pesquisa e extensão Caravana da Diversidade como parceiro de elaboração de Bionarrativas Sociais, as Bionas, com o propósito de ensino de conhecimentos em Ciências sob a ótica biocultural da comunidade escolar. Este projeto é inicial e pode ocorrer em qualquer etapa do ensino. Nela, observou-se que muitos estudantes são nordestinos e nordestinas, têm parentes ou convivem intensamente com pessoas originárias do nordeste no bairro onde está a escola. A unidade fica em frente à tradicional feira nordestina de São Cristóvão.
Em tempos de ataques aos nordestinos deflagrados na internet, manifestação de preconceitos e desrespeito à cultura nordestina e sua linda e rica diversidade cultural, torna-se urgentemente importante o desenvolvimento de projetos educativos que ampliem a manifestação cultural e, assim, o diálogo e debates através de manifestações e aprendizados que considerem a identidade cultural e riqueza biológica, onde a biodiversidade compõe a identidade do contexto sociocultural do território ao qual pertencem, algo proporcionado por aulas de ciências que possam conectar conhecimentos científicos com os conhecimentos tradicionais, num enfoque intercultural. O professor observou o interesse e intensa participação dos estudantes, numa exemplar dedicação desde a pesquisa inicial até a elaboração das bionarrativas, podendo refletir e dialogar sobre a importância das pesquisas dos cientistas e das suas próprias pesquisas, num intenso e rico debate.
Registros
IMAGENS
VÍDEOS
PDFs
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.