ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Logo Cartografias
Boas Práticas
Apoio Interdisciplinar do NIAP/PROINAPE
A LINGUAGEM DO EDUCADOR E O DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA MORAL DOS ESTUDANTES
Informações
Relato
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
Sede da 4ª Cre - 4ª CRE
Rua Professor Luis Rondelli 150 - Olaria
UNIDADE ESCOLAR VOCACIONADA
Unidade não vocacionada
AUTOR(ES)
CRISTIANE FRANCO DE O. BEZERRA; ISABELA DO ESPÍRITO SANTO CUNHA; LUIZ RENATO PAQUIELA GIVIGI
Cristiane Franco é Assistente Social do Proinape, educadora e escritora de Literatura Infantojuvenil; Isabela do Espírito Santo Cunha é Psicóloga clínica, Educadora e professora; Luiz Renato Paquiela Givigi é Psicólogo clínico, Doutor em psicologia, e psicólogo do Proinape.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
ASSISTENTE SOCIAL; PSICÓLOGA, PSICÓLOGO.
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
1º ano
2º ano
3º ano
4º ano
5º ano
6º ano

OBJETIVOS

A LINGUAGEM DO EDUCADOR E O DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA MORAL DOS ESTUDANTES foi uma ação oferecida para todas as Unidades Escolares que compõem o território da 4° Coordenadoria Regional de Educação. A partir de um pedido desta mesma Coordenadoria, cuja demanda girava em torno da intensificação de conflitos interpessoais que se desenrolavam no espaço escolar, resolvemos propor encontros de formação com Coordenadores Pedagógicos das UEs, cujo objetivo era o estudo, a reflexão e a socialização de saberes relacionados ao tema do conflito, da indisciplina e dos usos da linguagem no contexto escolar, a fim de pensar estratégias de ação para o tratamento dos mesmos.

HABILIDADES
6º ano - Língua Portuguesa - Distinguir um fato de uma opinião.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Março/2022 até Agosto/2022

A ação que aqui se expõe constituiu-se como um trabalho de Apoio Institucional que aconteceu entre diversas Unidades Escolares que compõem o território da 4° Coordenadoria Regional de Educação.

A partir de um pedido desta mesma Coordenadoria, cuja demanda girava em torno da intensificação de conflitos interpessoais que se desenrolavam no espaço escolar, resolvemos propor encontros de formação que tinham como objetivo o estudo, a reflexão e a socialização de saberes relacionados ao tema do conflito, da indisciplina e da violência escolar.

Partindo do princípio de que a conduta moral e ética da criança é aprendida, e assim como todos os demais processos, possui estágios de desenvolvimento, propusemos discutir e analisar qual seria o papel do educador na aquisição destas condutar. Mais especificamente, nosso objetivo foi o de refletir sobre as implicações da linguagem do educador na construção da autonomia moral do aluno, entendendo autonomia moral como a aquisição progressiva de princípios, valores, e regras de conduta.

Sabemos que uma das funções primordiais da escola é a formação de cidadãos críticos, solidários, éticos e comprometidos com o mundo em que vivem. Entretanto, dependendo da forma como ocorre a comunicação entre a escola e os alunos, pode-se tanto favorecer quanto prejudicar o desenvolvimento moral desses últimos.

Entendemos que a comunicação é um desafio em todos os âmbitos da vida. A maneira como nos dirigimos às pessoas causa impressões em suas emoções, faz diferença em seus sentimentos, e interfere no seu desenvolvimento. Isso não é diferente na escola. As palavras do educador não são inofensivas. Ao contrário, afetam a vida dos alunos para melhor ou para pior e influenciam no conceito que eles têm de si mesmos, em seu comportamento, e na construção de sua subjetividade.

Partindo de autores como Piaget (1994), Vinha (2000), La Taille (2019), e Ginott (1973), e entendendo a autonomia moral como um processo progressivo que vai da anomia (ausência de regras), passa pela heteronomia (obediência acrítica à autoridade externa), até chegar a uma desejada autonomia moral (internalização crítica e ativa das regras), buscamos pensar, junto aos educadores, quais seriam os tipos de linguagem que favoreceriam ou dificultariam o desenvolvimento deste desenvolvimento.

Para fins didáticos, dividimos estes tipos de linguagem em duas. A primeira é dirigida à personalidade ou à capacidade do indivíduo, podendo trazer diversas consequências negativas para o sujeito tais como a diminuição da autoestima, a dificuldade de aprendizagem, os sentimentos de culpa, ansiedade, medo e, por fim, o reforço da heteronomia. Já a linguagem descritiva é uma forma de comunicação que consiste em apresentar os fatos como são, isto é, como o próprio nome diz, descrever ações, fatos e sentimentos, sem emitir julgamentos. Refere-se, portanto, a fatos, acontecimentos, e às ações do sujeito, e não ao ser, ao caráter, ou à personalidade do mesmo.

Quanto ao interesse na proposta, no total, foram quarenta e cinco Coordenadores Pedagógicos inscritos, preenchendo boa parte das vagas disponibilizadas para inscrição voluntária. Os principais objetivos desta ação foram os de apresentar a educação moral como um problema complexo; demonstrar como a escola, querendo ou não, exerce a função de educar; despertar o interesse pela temática; apresentar os tipos de linguagem propriamente ditas; e o de pensar em suas aplicações práticas. Segundo a avaliação da equipe Proinape, os principais objetivos foram suficientemente cumpridos. Um dos maiores entraves para este trabalho foi a dificuldade de estarem presentes todos os inscritos, seja por motivo de reuniões concomitantes, ou mesmo pela dificuldade em se ausentar da escola devido à sobrecarga de trabalho, e também à falta de professores em suas unidades, fazendo com que tivessem que cobrir estas ausências.
Referências Bibliográficas

GINOTT, H. Comunicação Congruente. In: O professor e a criança. Rio de janeiro, Block Edições, 1973, p. 55-83.

LA TAILLE, Y. Desenvolvimento do juízo moral e afetividade na teoria de Jean Piaget. In: Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 2019.

PIAGET, J. O Juízo Moral na Criança. São Paulo: Summus, 1994 (Originalmente publicada em 1932). SP: Mercado de Letras, 2000.

VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil: uma visão construtivista. Campinas,

WREGE, M. G., ANDRADE, B. G., ARANHA, G. C., LOURENCETTI, N. S. S. Linguagem do Educador e a Autonomia Moral. Revista eletrônica de psicologia e epistemologia genéticas Volume 6 Número 2 – Ago-Dez/2014

Registros
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.