ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Apoio Interdisciplinar do NIAP/PROINAPE
Protagonismo juvenil como uma forma de melhorar a convivência dos alunos na escola.
Informações
Relato
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
EM Rose Klabin - 6ª CRE
Rua Reginópolis 135 - Guadalupe
UNIDADE ESCOLAR VOCACIONADA
Unidade não vocacionada
AUTOR(ES)
Edmilson Freire, Simone Amaral e Tatiana Bento
Os autores fazem parte do PROINAPE (Programa Interdisciplinar de Apoio às Unidades Escolares), um dos programas do NIAP (Núcleo Interdisciplinar de Apoio às Unidades Escolares).
O professor Edmilson Freire possui licenciatura em Matemática pela Universidade Iguaçu (UNIG) e pós graduação em Gestão Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É professor da Rede Municipal de Educação há 20 anos, atuou como Diretor de escola por 4 anos e está há 8 anos no PROINAPE.
A assistente social Simone Amaral é formada pela universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e é servidora da Prefeitura do Rio de Janeiro há 15anos e, desde então, atua na política de Educação. Está no PROINAPE desde o início do programa.
A assistente social Tatiana Bento é formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e é servidora da Prefeitura do Rio de Janeiro há 15 anos. Já atuou na política de Assistência Social e de Educação e está no PROINAPE desde o início do programa.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Professor / Assistente Social / Assistente Social
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
6º ano
7º ano
8º ano
9º ano
Carioca I
Carioca
OBJETIVOS

- Fomentar o protagonismo juvenil através da participação dos alunos representantes das turmas dos dois turnos da Unidade Escolar com intuito de proporcionar um espaço de reflexão sobre cidadania, democracia, respeito às diferenças, o sentido da escola e a convivência respeitosa na escola;

- Proporcionar um espaço de escuta e fala aos estudantes, afim de discutir questões sobre adolescências com os alunos e profissionais da escola;

PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Fevereiro/2022 até Dezembro/2022

Esse relato de experiência tem como objetivo registrar historicamente um recorte da escola pública, da adolescência e da sociedade brasileira marcada pela pandemia da Covid-19, através da palavra compartilhada dos estudantes de uma escola municipal da periferia da Cidade do Rio de Janeiro.

A partir da escuta da Gestão da Unidade Escolar, que tinha como demanda resgatar os sentidos da escola para os alunos com a valorização do convívio e do espaço escolar, a equipe do PROINAPE lançou a proposta de trabalho tendo como foco o protagonismo juvenil e as questões que perpassavam as adolescências e as convivências na escola.

Ressaltamos que tal demanda reflete o quanto a escola não pode ser narrada sem a compreensão de rede que a conecta com as condições sociais, políticas e econômicas. A valorização da escola e da Educação é uma concepção de sociedade e a forma de pensar e enfrentar os conflitos, a convivência, o respeito, a democracia e a representatividade, também. Contudo, como a sociedade de forma geral, essas concepções estão em disputa dialógica na escola. São sujeitos pensantes e atuantes que transformam suas realidades se reconhecidas e enfrentadas no campo objetivo e subjetivo.

Dessa forma, o trabalho proposto se apoiou no fortalecimento do pensamento ético-político de participação democrática, protagonizados pelo público-alvo da Escola: os estudantes. De acordo com a autora Telma Vinha: "A construção de um clima escolar positivo passa pela melhoria da qualidade das relações entre os professores e alunos, mas também entre pares. O desenvolvimento de habilidades sociais, emocionais e morais também necessita de boas relações, assim como a vivência cotidiana pelos estudantes dos valores e competências que gostaríamos que desenvolvessem. (...). Diversas pesquisas (Avilés, 2013; Cowie, 2005; Tognetta, Martinez e Daud, 2017) apontam o protagonismo infanto-juvenil como muito relevante para a superação dos problemas de convivência na escola. É altamente recomendado propiciar um ambiente em que os alunos sejam incentivados a ajudarem os outros e a se importarem com quem convivem." (VINHA, 2019).

Assim, os grupos com os alunos representantes de turmas foram realizados na modalidade de roda de conversa com temáticas propostas pela equipe PROINAPE e os próprios estudantes. Cada grupo debateu sobre: o que é ser representante de turma? • Nuvem de ideias sobre a escola e a juventude; • Como veem a escola: o que pode melhorar e qual é a proposta dos estudantes? • Mediadores de conflitos: estudo de caso; • Racismo e violência contra a mulher; • O que os estudantes querem saber? O que querem falar? • Conflito entre estudantes: violência na escola.

A segunda etapa foi a mediação entre a gestão escolar e os estudantes: • Gestão e estudantes na mesma roda: vamos conversar sobre a escola? • Preparados para uma Assembleia de alunos: a escuta compartilhada com alunos, gestão e professores.

Os resultados indicam a importância da escuta dos estudantes no processo de fortalecimento da própria escola e a repercussão esperada é a práxis, a escola em movimento da palavra e da ação para o desenvolvimento de sujeitos críticos para o enfrentamento de suas demandas coletivas e individuais. Quando os estudantes são perguntados o que pensam sobre a escola, as primeiras respostas versam o campo objetivo das melhorias materiais dos prédios e condições de estudo. A organização do espaço escolar melhoraria a maneira de estar na escola. Outros apontamentos realizados foram mais frequentes na fala dos alunos residentes em áreas conflagradas: racismo, violência, desigualdade e silêncio - apresentando o cotidiano marcado pela violência urbana e estrutural. Percebemos que os estudantes compreenderam o espaço como um lugar onde suas demandas eram de fato escutadas e a roda de conversa se apresentou como instrumento de fortalecimento de laços e reconhecimento de identidades.
Referências Bibliográficas
VINHA, Telma. Para melhorar o convívio, escolas devem estimular protagonismo infanto-juvenil. Nova Escola. Abril, 2019. Artigo acessado em maio de 2023: https://novaescola.org.br/conteudo/16722/para-melhorar-o-convivio-escolas-devem-estimular-protagonismo-infanto-juvenil
Registros
IMAGENS
Roda de conversa com os alunos representantes de turmas.
Roda de conversa com os alunos representantes de turmas.
Roda de conversa com os alunos representantes de turmas.
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.