ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Anos Finais
"Que Pedra é Essa?" Trilhando a Geodiversidade
Informações
Relato
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
EM Nelson Prudêncio - 11ª CRE
Estrada do Rio Jequia S/nº Em Frente Ao Nº 1476 - Pitangueiras
UNIDADE ESCOLAR VOCACIONADA
Ginásio Educacional Olímpico - GEO
AUTOR(ES)
Cláudia Romaneli Nogueira
Sou professora de Geografia com mestrado em Planejamento e Gestão Territorial pelo Departamento de Geografia da UFRJ. Leciono na esfera pública do Rio de Janeiro desde 2001 no ensino médio (SEEDUC) e desde 2007 no ensino fundamental (SME). Também atuei em universidade privada na licenciatura em Geografia e no CEFET/Petrópolis no curso de Turismo.
Primo pela educação de qualidade e gosto de interações multi e transdisciplinares que conjuguem com a Geografia do lugar, histórias vivas da ancestralidade, contexto das cidades inteligentes e diversos assuntos que possam trazer a melhoria na qualidade de vida da população do Rio e mundo.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
PEF Geografia
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
6º ano
7º ano
8º ano
9º ano
OBJETIVOS
O projeto pedagógico intitulado “Que Pedra é essa?” – Trilhando a Geodiversidade foi realizado nas aulas de eletiva da escola de turno único E.M. Nelson Prudêncio, fruto de uma parceria com a SME e o Museu de Geodiversidade (IGEO/UFRJ) para futura contribuição na criação de georroteiro – roteiro com ênfase nas Geociências e no patrimônio geológico nos bairros da Ilha do Governador que levaria em conta participação de professores e alunos de ensino básico, assim como da comunidade. Para desenvolvimento do projeto e visando um enfoque mais prática da Geodiversidade, área do conhecimento ligado as Geociências e de difícil compreensão nas abordagens escolares, houve destaque para a Geopoética e para a Geomitologia como uma forma de olhar a paisagem da região e a inspiração poética sobre ela, levantar suas histórias e lendas (inicialmente a da Pedra da Onça) para sensibilizar os alunos no contato com o seu espaço vivido e valorizá-lo quanto ao possível aspecto científico e educacional.
HABILIDADES
6º ano - História - Identificar os componentes marcantes da memória coletiva e social do estado do Rio de Janeiro.?
6º ano - História - Mapear os principais patrimônios materiais e imateriais da humanidade existentes no estado do Rio de Janeiro.?
7º ano - Geografia - Analisar as transformações nas paisagens através dos tempos, em diferentes tipos de sociedade, Identificando as heranças e as presenças culturais dos povos indígenas e comunidades quilombolas.
7º ano - Geografia - Analisar distintas interações das sociedades com a natureza, com base na distribuição dos componentes físico-naturais, incluindo as transformações da biodiversidade local e do mundo.
8º ano - Geografia - Conhecer a formação da sociedade e do território brasileiro, percebendo e valorizando suas diversidades étnico-culturais e patrimoniais ao destacar o papel dos povos indígenas e africanos.
9º ano - Geografia - Reconhecer e valorizar as heranças culturais dos povos originais nas culturas dos continentes americano e africano.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Janeiro/2020 até Dezembro/2022
Com inspiração literária do poema No Meio do Caminho de Drummond, instigamos a curiosidade do público com relação a que “pedra” compõe a paisagem dos bairros da Ilha. Como resposta, obtivemos a análise do entorno do espaço vivido do aluno, o que nos levou a paisagem (conceito chave em Geografia na direção de aguçar a percepção do indivíduo de seu entorno) e as histórias/mitologias que eles trouxeram de seu conhecimento de mundo. A exemplo de um ponto conhecido como a Pedra da Onça na Freguesia, houve leituras e apresentações das versões da mitologia indígena referentes aquela “onça”, na verdade um gato Maracajá, e ainda coletânea de poesias e histórias sobre a Ilha do Governador (relacionada às áreas de Geomitologia e de Geopoética). O protagonismo dos alunos é um ponto bastante trabalhado na escola vocacionada e esse trabalho buscou histórias do entorno do alunado e sua importância para qualidade de vida insulana.
Os alunos da eletiva tiveram aulas teóricas sobre noções básicas de Geologia e Geodiversidade, posteriormente puderam manusear diversos minerais e rochas, entre eles os que compõe as areias das praias da ilha (cedidos pela UFRJ aos cuidados de nossa escola) e apresentaram à toda a escola, levando o corpo discente a relacionar a composição das areias das praias aos vários minerais e rochas ali expostos. E o questionamento de que “pedrinha” é essa, sua origem, suas características e usos suscitou uma relevante experiência tátil e criativa em Geodiversidade entre os alunos de EF II. O percurso pedagógico traçado para a execução da eletiva teve como mote inserir o aluno no seu espaço vivido de forma ativa, mais crítica e criativa, ampliar os conhecimentos básicos de Geologia com materiais e processos de análise do ambiente mais próximos dos alunos e disseminar gradativamente a ideia de Geodiversidade e a necessidade de preservação do patrimônio natural e histórico da Ilha e país.
Registros
IMAGENS
Metodologia da proposta pedagógica "Que Pedra é essa?" - Paisagem e suas vertentes em Geoturismo, Geoconservação e Geopoética.
Dentro da Geopoética, os alunos convidaram professora Vera Bastos, poetisa insulana, para participar da exposição.
Fotografias das amostras de areia de diferentes pontos da Ilha para análise de sua composição.
VÍDEOS
PDFs
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.