ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Alfabetização e Letramento
Muito além de ler e escrever
Informações
Relato
Considerações Finais
UNIDADE DE ENSINO
EM Otelo de Souza Reis - 10ª CRE
Avenida Antares S/nº - Santa Cruz
AUTOR(ES)
Adriana Silva dos Santos de Paula
Nasci em Santa Cruz, no Rio de Janeiro. Sempre amei dar aulas. Desde criança, minha brincadeira preferida era ensinar as crianças da vizinhança, meus alunos de sempre, a refazer as atividades da escola. Com isso, com apenas 12 anos de idade, alfabetizei algumas delas.

Formei-me técnica em informática, no Ensino Médio, mas não encontrei na área o prazer profissional que vislumbrei. Por conta própria, refiz o Ensino Médio e concluí em 1998 o curso de Formação de Professores. Ao final do curso, consegui meu primeiro emprego como professora e atuo na área da educação até os dias atuais, com muito zelo. Hoje, como diretora-adjunta, integro a equipe gestora da E.M. Otelo de Souza Reis, em Antares, Santa Cruz.

Formada em Pedagogia, sinto imenso prazer em atuar como professora da rede municipal carioca. Todas as atividades que desenvolvo primam por educar e resgatar a autoestima dos alunos, usando sempre muita criatividade e inovação, para que aprendam com prazer.

Quando não estou trabalhando, amo estar com a família. Casada, sou mãe de dois lindos filhos, com os quais amo passear de bicicleta e preparar receitas maravilhosas para eles quando chegamos em casa.

CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Diretora-adjunta
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
1101
OBJETIVOS
  • Refletir sobre a importância da participação e interação das famílias no processo educacional dos alunos a partir da análise das atividades realizadas com eles e procurar identificar nesse processo as contribuições para o desenvolvimento da leitura e da escrita dos educandos.
ANOS DE ESCOLARIDADE
1º ano
HABILIDADES
1º ano - Anos Iniciais - Antecipar o assunto de um texto com base no título, subtítulo e imagem.
1º ano - Anos Iniciais - Expressar em interações orais em sala de aula seus sentimentos e opiniões, argumentando e questionando, respeitando os turnos de fala e a opinião dos outros.
1º ano - Anos Iniciais - Identificar-se como parte integrante de um grupo: familiar, escolar e comunitário.
1º ano - Anos Iniciais - Produzir textos, individual e coletivamente, com uma sequência lógico-temporal (início, meio, fim).
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Fevereiro/2021 até Dezembro/2021

Organizar o trabalho pedagógico da escola foi uma tarefa individual e coletiva de professores, coordenador pedagógico, equipes de apoio e diretoras. Para tanto, foi fundamental que todos se sensibilizassem com as especificidades, potencialidades, saberes, limites e possibilidades das crianças diante do desafio de uma formação voltada à cidadania, autonomia e liberdade responsável de aprender e transformar a realidade de maneira positiva.

A forma pela qual nossa escola percebeu e concebeu as necessidades e potencialidades dos nossos alunos refletiu-se diretamente na organização do trabalho escolar. Por isso, ressalto que, como nossa unidade escolar está inserida em uma realidade com características bem específicas, foi preciso organizar e reorganizar a escola e a sala de aula e até mesmo as modalidades de atendimento durante o ano letivo de 2021 para que nossa turma de 1º ano se sentisse constantemente acolhida e bem atendida.

Ninguém cria no vazio, mas a partir de experiências vividas, de conhecimentos e valores apropriados. Assim, a professora da turma formulou lindos projetos envolvendo leitura de gêneros variados, fazendo sempre a turminha viajar no conteúdo do material Rio Educa. Com isso, o prazer e o domínio do olhar, da escuta e do movimento sensível de cada contação de histórias potencializaram as possibilidades de apropriação das linguagens verbal e escrita.

E isso me proporcionou uma rica experiência quando, por questões de saúde, a professora da turma precisou se afastar, por recomendação médica, para não contrair covid. Ela só retornou às aulas presenciais no segundo semestre do ano letivo com o esquema de vacinação concluído.

E aí surgiu o desafio. Ela continuou a ministrar suas aulas de forma remota e percebi que as famílias dos estudantes se envolviam intensamente na aprendizagem. Em todas as oportunidades de contato, constatei, como coordenadora pedagógica, que o envolvimento familiar fortalecia a aprendizagem daqueles alunos. Nas semanas de avaliações diagnósticas da Rede, os alunos foram atendidos de forma presencial na escola. Para minha surpresa, quando apliquei as avaliações, percebi que os alunos resolviam as questões acessando a memória construída pelas histórias contadas pela professora e pelos responsáveis em suas casas. Ou seja, essas histórias alinhavam o processo alfabetizador de forma intensa e significativa.

Pude perceber, então, que a linguagem ocupa um papel fundamental nas relações vivenciadas por crianças e adultos. Por meio da oralidade, as crianças participam de diferentes situações de interação social e aprendem sobre elas próprias, sobre a natureza e sobre a sociedade. Quando a atenção familiar se une às atividades bem planejadas na escola, temos a oportunidade de estar juntos, abrindo os caminhos da apropriação da escrita, o que favorecerá belos registros que surgirão ao ampliarmos a observação e a capacidade de compreensão, favorecendo a boa convivência dos alunos com uma variedade de contextos com ricas possibilidades de reflexão. As crianças podem observar escritas em diferentes ambientes e, ao escutar belas histórias, associar o que ouvem a registros visualizados em determinados momentos.

Segundo Morais e Albuquerque (2004), crianças que vivem em ambientes ricos em experiências de leitura e escrita não só se motivam a ler e a escrever, mas começam desde cedo a refletir sobre as características dos diferentes textos que circulam ao seu redor, sobre seus estilos, usos e finalidades.

No entanto, sabemos que em nossa comunidade escolar nem todas as crianças têm a oportunidade de conviver com livros de literatura infanto-juvenil fora da escola. Com isso, os projetos de leitura realizados na unidade e até mesmo os realizados de forma remota, como ocorreu com essa turma, destacam a importância de os educadores garantirem em sua rotina pedagógica a prática de ler para as crianças e insistir em todos os momentos que envolvem a leitura, para que as famílias se envolvam e façam o mesmo.

Disso deriva uma decisão pedagógica fundamental para reduzir as diferenças sociais, que é a necessidade de assegurar diariamente a todos os estudantes a vivência de práticas reais de leitura e possibilitar a produção de textos diversificados e, como instituição escolar, sermos responsáveis por promover a ampliação das experiências das crianças, de modo que elas possam ler o mundo com desejo de crescer e se desenvolver a cada dia.

Com este trabalho, desejamos apresentar os benefícios que a criança pode usufruir mediante o contato com a leitura infanto-juvenil, não só para a imaginação ou conhecimento da das histórias, mas também, para seu desenvolvimento em todos os aspectos. Para que a criança adquira o gosto pela leitura e desenvolva sua leitura de mundo com prazer, se faz necessário o auxílio de um adulto, sua professora ou seu responsável, para introduzi-la nesse mundo letrado, pois necessita de constantes incentivos. Percebemos ainda que, além de ser uma ótima ferramenta de auxílio no processo alfabetizador, também favorece o envolvimento da família no processo educacional.?
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

MORAIS, A.; ALBUQUERQUE, E. Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ALONSO, Jesús; CATURLA Enrique. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz. 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

Registros
IMAGENS
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.