ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Alfabetização e Letramento
Descobrindo o incrível mundo da leitura através do próprio nome
Informações
Relato
Considerações Finais
UNIDADE DE ENSINO
EM Luís Carlos da Fonseca - 5ª CRE
Rua Leopoldino de Oliveira 51 - Madureira
AUTOR(ES)
Luciana de Carvalho Guimarães
Sou Luciana, tenho 43 anos e sou formada desde 1996 – formação de professores. Cursei Língua Portuguesa/Literatura na Faculdade de Letras e pós-graduação em Administração e Supervisão Escolar..

Sempre estive envolvida com a escola, quer lecionando ou fazendo parte da equipe de coordenadores, desde a conclusão do Ensino Médio. Talvez por isso não consiga me imaginar trabalhando em outro lugar que não seja uma escola, participando do desenvolvimento das crianças.

Sou professora da rede pública municipal do Rio há quase três anos, sempre à frente de turmas de alfabetização. Isso me deixa muito feliz, pois sou muito apaixonada por esse trabalho. É muito gratificante descobrir com os meus alunos a magia da leitura e vê-los dar seus primeiros passos na vida escolar.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Professora
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
1º ano
OBJETIVOS
  • Formar alunos capazes de usar adequadamente a língua materna em suas modalidades escrita e oral e refletir criticamente sobre o que leem e escrevem.
ANOS DE ESCOLARIDADE
1º ano
HABILIDADES
1º ano - Língua Portuguesa - Escrever o próprio nome como referência para ler e registrar outras palavras.
1º ano - Língua Portuguesa - Escrever palavras
1º ano - Língua Portuguesa - Nomear e utilizar as letras do alfabeto na escrita do próprio nome.
1º ano - Língua Portuguesa - Reconhecer e nomear as letras do alfabeto a partir do próprio nome e dos nomes dos colegas de turma.
1º ano - Matemática - Comparar números naturais de até duas ordens em situações cotidianas, com e sem suporte da reta numérica.?
1º ano - Matemática - Executar a contagem de um grupo de objetos, pessoas e animais.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Fevereiro/2022 até Maio/2022

A avaliação diagnóstica inicial é um instrumento de interação pedagógica que tem o objetivo de auxiliar o delineamento de pontos de partida nos processos de ensino (GLOSSÁRIO CEALE, p. 39). Partindo deste princípio, logo no início do ano letivo, propus atividades que visassem identificar os estágios de aprendizagem das crianças em relação ao sistema de escrita alfabética.

Os resultados obtidos a partir de avaliação diagnóstica orientaram meu planejamento pedagógico. A esse respeito, a educadora Magda Soares afirma que “cabe à escola, conhecendo o nível de desenvolvimento cognitivo e linguístico já alcançado pela criança e, partindo dele, orientá-la para que avance em direção ao nível que ela já tem possibilidade de alcançar”. (SOARES, 2020).

Considerando que o nome próprio é uma palavra significativa para a criança, tomei-o como referência para direcionar as atividades seguintes. Fazíamos chamadinha utilizando cartões com os nomes das crianças para leitura e visualização e explorávamos cada letra, fazendo-as entender como são formados seus nomes. Comparamos nomes com fonemas parecidos e distintos, observamos o tamanho dos nomes e a quantidade de letras necessárias à formação de cada um deles e utilizamos o alfabeto móvel como recurso para desenvolver a leitura em cada etapa trabalhada.

A cada atividade realizada, os estudantes eram instigados a refletir sobre o sistema de escrita, sobre suas partes e relações entre si e a oralidade, incluindo a reflexão sobre as unidades menores – letras e palavras (CASTEDO, 2011). Além do trabalho com os nomes, propus leituras de outros gêneros textuais que circulam socialmente, ampliando o aprendizado da turma. As crianças eram expostas a oportunidades de reflexão que as permitiam ir avançando no conhecimento sobre leitura e escrita, passando pelas etapas de visualização, identificação e pronúncia do som. Dessa forma, os estudantes iam-se dando conta das relações entre fala e escrita e percebendo as semelhanças na escrita que correspondem às semelhanças sonoras.

Vivemos tempos difíceis na educação durante a pandemia da covid-19. Planejar e replanejar foi mais que necessário durante todo o período. Avançar a partir da identidade dos alunos, avaliando-os e mostrando-me sensível aos pequenos passos de cada um contribuiu para que seus caminhos fossem mais seguros e significativos. O trabalho a partir dos nomes das crianças tornou o início do processo mais leve. Tratava-se de algo que pertencia à identidade de cada um e de descobrir que as letras de seus nomes podiam formar outras palavras, abrindo-lhes um mundo de possibilidades.

E foi dessa forma, avançando e algumas vezes precisando retroceder, que atingimos o nosso objetivo final que é a aquisição do uso da leitura e da escrita nos espaços sociais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CASTEDO, Mirta; TORRES, Mirta. Um panorama das teorias de alfabetização na América Latina durante as duas últimas décadas (1980-2010). Cadernos Cenpec, v. 1, n. 1, 2011. Disponível em: http://cadernos.cenpec.org.br. Acesso em 17 set. 2022.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva; VAL, Maria da Graça Costa; BREGUNCI, Maria das Graças de Castro (Org.). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014.

SOARES, Magda. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020.

Registros
IMAGENS
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.