ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Alfabetização e Letramento
As descobertas que fizemos...
Informações
Relato
Considerações Finais
UNIDADE DE ENSINO
EM Luís Carlos da Fonseca - 5ª CRE
Rua Leopoldino de Oliveira 51 - Madureira
AUTOR(ES)
Priscila da Silva Bastos
Nasci no Rio de Janeiro em 27 de maio de 1982. Filha da professora e funcionária pública Maria Elizabete da Silva Bastos e do aeroviário Efraim Louzada Bastos, formei-me pelo IE Carmela Dutra em 1999.

Cursei Pedagogia na Universidade Federal Fluminense (UFF) de 2001 a 2006. No ano seguinte, ingressei na rede municipal de educação do Rio como professora na E.M. Irineu Marinho (5ª CRE) em Marechal Hermes.

Cinco anos depois, assumi a coordenação pedagógica da unidade. Em 2020, trabalhei na Coordenadoria de Avaliação e Acompanhamento da SME-Rio.

No ano seguinte, retornei ao chão da escola como coordenadora pedagógica na E.M. Luís Carlos da Fonseca (5ª CRE) em Madureira.
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Coordenadora pedagógica
ANOS/GRUPAMENTOS ENVOLVIDOS
1101 e 1102
OBJETIVOS

  • Apresentar a cultura indígena aos alunos, desenvolvendo também práticas de leitura e escrita.

ANOS DE ESCOLARIDADE
1º ano
HABILIDADES
1º ano - Anos Iniciais - Elaborar coletivamente produções textuais a partir de histórias lidas ou ouvidas, assumindo diferentes papéis (professor como escriba/aluno como escritor).
1º ano - Anos Iniciais - Produzir textos, individual e coletivamente, com uma sequência lógico-temporal (início, meio, fim).
1º ano - Geografia - Perceber semelhanças e diferenças básicas entre os lugares, distinguindo jogos, moradias, objetos de uso diário e formas de brincar em diferentes tempos e espaços.
1º ano - História - Valorizar a existência da diversidade, reconhecendo caracteres identitários básicos e discutindo regras de convivência para diferentes espaços.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Março/2021 até Abril/2021

O projeto começou com a leitura do livro O tupi que você fala, do escritor e jornalista Claudio Fragata. A obra faz parte do acervo bibliográfico adquirido pela escola para o cumprimento da Lei N° 10.639, que torna obrigatória a inclusão da história e cultura afro-brasileira no currículo oficial dos estabelecimentos de ensino fundamental e médio.

Com a leitura do livro, todos perceberam que a língua tupi não está tão longe da língua que falamos. A partir de palavras identificadas no texto, começamos a discutir o porquê de utilizarmos tantos vocábulos de origem tupi no nosso cotidiano e concluímos que o português falado no Brasil incorporou traços da cultura dos nossos povos indígenas originários, sobretudo os da cultura tupi.

Utilizamos o tema indígena de forma que ajudasse a desenvolver o processo de leitura e escrita dos alunos. As descobertas proporcionadas pela leitura do livro foram trabalhadas em rodas de conversa, listas de palavras e textos coletivos, contemplando a habilidade “Elaborar coletivamente produções textuais a partir de histórias lidas ou ouvidas, assumindo diferentes papéis – professor como escriba/aluno como escritor”.

Assim, a professora da turma 1102 elaborou com os alunos uma relação de palavras de origem tupi já incorporadas ao nosso vocabulário.

A escola também contou com material cedido pelo Museu do Índio, o que permitiu o contato das crianças com o cotidiano dos mais de 305 povos indígenas que habitam o Brasil.

Os estudantes puderam perceber, por exemplo, semelhanças entre a alimentação dos indígenas e a nossa. Batata-doce, milho e mandioca são alimentos comuns a ambas as populações.

A atividade contemplou a valorização da diversidade, reconhecendo caracteres identitários básicos presentes na Priorização Curricular. E o movimento empreendido foi importante para percebermos que a cultura indígena constitui a cultura brasileira.

A atividade contribuiu decisivamente para que as crianças exercitassem o uso da leitura e da escrita e, por conseguinte, explorassem um tema muito importante e que pode ser uma constante no planejamento docente.

A diversidade cultural e a origem do povo brasileiro são conteúdos que precisam ser explorados ao longo do ano letivo, tendo em vista as possibilidades de materiais e acervos já disponibilizados para a escola.

A participação das turmas envolvidas foi significativa, o que possibilitou que o projeto alcançasse os objetivos propostos.

Os alunos ficaram encantados e muito curiosos, pois puderam experimentar a cultura indígena brasileira, até então limitada a relatos de livros e fotografias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FRAGATA, Claudio. O tupi que você fala. 1.ed. São Paulo: Globo Livros, 2018.
Registros
IMAGENS
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.