Da série
VI Semana de Alfabetização
14 Setembro 2018
0
0
0
s2sdefault
 
Sônia Mendes, doutora em Educação pela Uerj (Foto: Alberto Jacob Filho)

A doutora em Educação pela Uerj Sônia Mendes e a doutora em Linguística Aplicada pela UFRJ Solimar Silva foram as grandes atrações da manhã de 12 de setembro, segundo dia da VI Semana de Alfabetização, evento organizado pela Gerência de Alfabetização da Secretaria Municipal de Educação. As duas falaram sobre Saberes docentes: premissas para uma educação pautada na sensibilidade e no planejamento cooperativo.

Sônia enfatizou a necessidade de a escola dialogar com a ciência e a cultura. “A escola nasceu com o advento do capitalismo, prometendo mobilidade social. Ainda hoje, as famílias matriculam seus filhos com a esperança de que algo seja transformado em suas vidas. Essa é uma situação complexa e, muitas vezes, a escola encontra-se sozinha nesse desafio. Creio que podemos contribuir bastante – para a reforma pessoal dos indivíduos, para o empoderamento feminino, combatendo preconceitos, e até mesmo para a ascensão no mercado de trabalho. Mas também cabem questionamentos: para qual mercado? Para qual sociedade? A função pública da escola e sua relação com a comunidade do entorno é, atualmente, pauta mundial.”

Segundo Sônia, o desejo de recuperar o poder da escola de transmitir conhecimento não pode ser pessoal, por ser infrutífero. “O grupo, a comunidade escolar, seja de Bangu, Madureira ou Copacabana, que partilha, dialoga e inova pode construir salas de aula que façam a diferença na vida dos alunos e da comunidade. A autonomia dos professores também é importante nesse processo. Não somos apenas reprodutores de relações didáticas preestabelecidas. A aula é viva. Precisamos planejar e saber adaptar de acordo com a imprevisibilidade do cotidiano em sala. Não dá para repetir a mesma coisa todo dia sem se atualizar e levar em conta as particularidades das turmas e dos indivíduos.”

Sônia Mendes (à esquerda), doutora em Educação pela Uerj, e Solimar Silva, doutora em Linguística Aplicada pela UFRJ (Foto: Alberto Jacob Filho)

Solimar Silva seguiu o viés da palestrante anterior, sublinhando a necessidade de desenvolver a capacidade de se adaptar a situações novas e um permanente processo de reflexão sobre a prática. “Como ensina Tardif [Maurice Tardif, professor da Universidade de Montreal que pesquisa e escreve sobre formação docente], a utilização do conhecimento profissional é responsabilidade do próprio professor. Os saberes docentes são a base, mas temos que levar em conta outros fatores – se nosso aluno comeu, se vive em uma casa com afeto e tranquilidade.”

Solimar reconheceu que é preciso ser dura às vezes, mas com sensibilidade, e perceber que o aluno compreende quando não está entendendo, ficando para trás. “A professora deve estar atenta, sensível a isso e corrigir rumos, principalmente na alfabetização.”

Para finalizar, Solimar ressaltou que a cooperação é um grande recurso para uma escola de qualidade: “O fazer docente necessita de espaços não hierárquicos, de interação mútua e diálogo”.

A MultiRio transmite ao vivo a VI Semana de Alfabetização aqui no Portal e no Facebook. Confira o restante da programação: sexta-feira (14), das 10h às 12h e das 14h30 às 16h30.

Acompanhe também a cobertura do evento, atualizada ao longo da semana. Em breve, os vídeos das palestras e debates estarão disponíveis.

 

Mídias Relacionadas
VI Semana de Alfabetização
Mais da Série
Relacionados
Mais Recentes