Da série
Bairros Cariocas
05 Janeiro 2018
0
0
0
s2sdefault
 
Bonde em direção ao Lins (Foto: BN Digital)

Lins de Vasconcelos é um bairro tipicamente residencial, pertencente à Região Administrativa do Méier, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Lá, nasceram personalidades como Antônio Carlos Bernardes Gomes, humorista e músico, mais conhecido como Mussum, e Carlos Heitor Cony, escritor, jornalista e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL). Martinho da Vila também foi criado no local, onde viu sua relação com o samba estreitar-se durante a adolescência no já extinto G.R.E.S. Aprendizes da Boca do Mato. 

O bairro abriga um complexo formado por 12 comunidades: Cachoeirinha, Cotia, Bacia, Encontro, Amor, Cachoeira Grande, Nossa Senhora da Guia, Dona Francisca/ Árvore Seca, Barro Preto, Barro Vermelho, Vila Cabuçu e Santa Terezinha, surgidas entre as décadas de 1930 e 1960. Algumas são ex-quilombos de escravos, caso de Encontro, Cachoeirinha e Cachoeira Grande.

A denominação, delimitação e codificação do Lins foi estabelecida pelo Decreto Nº 3158, de 23 de julho de 1981, com alterações do Decreto Nº 5280, de 23 de agosto de 1985.

Histórico 

Rua Lins de Vasconcelos, em 1928 (Foto: Augusto Malta)

Toda a área do bairro pertencia ao Engenho Novo dos Jesuítas. Os tropeiros, vindos de Jacarepaguá, desciam da Serra do Matheus (trecho da Serra dos Pretos Forros) e seguiam pela Estrada da Serra do Matheus (atual Rua Lins de Vasconcelos) até alcançar o Engenho. Sua construção mais conhecida era a Venda do Matheus, situada na localidade denominada Boca do Mato, junto à Serra dos Pretos Forros. A região da serra, por seu clima ameno, era apelidada de Suíça Suburbana. 

No alto da Estrada da Serra do Matheus, havia uma propriedade do Médico-Major Modesto Benjamim Lins de Vasconcelos, que, depois, acabou levando o nome de sua tradicional família. Seu desmembramento foi feito aos poucos e as chácaras vendidas a diversas famílias, em cujos terrenos foi prolongada a Rua Lins de Vasconcelos, abertas a Rua Vilela Tavares e a Travessa Aquidabã (atual Mario Piragibe), e construída a Capela de N.Sra. da Guia, convertida em paróquia em 1923.

Lugares e histórias 

Atleta do Club Gymnastico Desportivo Allemao, 1938 (Foto: Sport Illustrado)

Na Rua Aquidabã, 320, existiu o Clube Alemão (ou Club Gymnastico Desportivo Allemão, como era grafado), local de reunião e esportes da colônia germânica do Rio de Janeiro. Durante a Segunda Guerra Mundial, no entanto, o imóvel foi confiscado pelo Governo Federal e transformado em instalação militar, o Centro de Reabilitação dos Incapacitados das Forças Armadas (Crifa). A edificação que abrigou o Crifa é um bem tombado como Patrimônio Cultural Carioca. Atualmente, ali está construído um condomínio para oficiais do Exército. 

O Lins abriga quatro escolas municipais, um Espaço de Desenvolvimento Infantil e três creches municipais. Também no bairro, estão localizados o Hospital Naval Marcílio Dias e a Maternidade Carmela Dutra.

Na região, o carnaval remete às escolas Lins Imperial e Unidos do Cabuçu, esta consagrada como a primeira campeã na Passarela do Samba, o Sambódromo, em 1984, quando integrava o grupo chamado 1B (espécie de segunda divisão do carnaval carioca àquela época). No mesmo ano, a Mangueira também levou o título.


Fontes:

Data Rio / IBGE - Censo Demográfico 2010
Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira
Guia do Patrimônio Cultural Carioca Bens Tombados 2014, da Prefeitura do Rio de Janeiro
Site Rio+Social
http://www.carlosheitorcony.com.br/

Mídias Relacionadas
Bairros Cariocas
Mais da Série
Relacionados
Mais Recentes