27 Novembro 2017
0
0
0
s2sdefault
 

 

A sua escolha é você quem faz, curta feito pelos estudantes da E.M. Grécia, foi o escolhido do júri técnico

O concurso de produções audiovisuais que busca prevenir a dependência química entre os estudantes das escolas públicas municipais do Rio de Janeiro divulgou os vencedores deste ano. A E.M. Monteiro Lobato (10ª CRE), em Guaratiba, teve dois vídeos escolhidos pelo júri popular:Até a onda acabar, feito pelos alunos do 6º ao 9º ano, e O grande prêmio, pelos do 4º e 5º anos. Na categoria Educação de Jovens e Adultos, o escolhido foi Drogas, não curto, não compartilho e não aceito, essa eu deleto, do Ciep Graciliano Ramos (4ª CRE), em Jardim América.

 Além do júri popular, houve ainda uma escolha exclusiva da comissão julgadora, que elegeu como “vídeo do ano” A sua história é você quem faz, da E.M. Grécia (4ª CRE), em Brás de Pina. Lídia Santos, professora orientadora das oficinas de foto e vídeo, disse que o maior desafio foi realizar o curta em um minuto, em vez dos cinco minutos das edições passadas. Ela explicou como foi o processo criativo: “Li o edital junto com os alunos e pedi sugestões sobre como falar de drogas sem incentivar o uso, como conseguir prazer de maneiras saudáveis. Eles participaram de todo o processo, deram ideias na realização do vídeo. Tecnologia não foi problema – eles estão muito habituados a lidar com a câmera. Usamos um site de música que não cobra direitos autorais e o programa de edição Movie Maker”. 

Até a onda acabar, da E.M. Monteiro Lobato, foi o vídeo escolhido pelo júri popular entre os realizados por alunos do 6º ao 9º ano

A cerimônia de premiação acontecerá no dia 29 de novembro, às 14h, no Centro Administrativo São Sebastião, na Cidade Nova. Os alunos e professores orientadores das três categorias receberão tablets. A equipe do “vídeo do ano” está convidada a visitar a MultiRio para aprender um pouco mais sobre produção audiovisual. A E.M. Grécia, onde estudam, também receberá um tablet. 

 Tirando a Droga de Cena estimula os estudantes a explorar a linguagem audiovisual com produções de sua autoria que abordem questões como a importância de escolhas saudáveis e de um projeto de vida, além das consequências do uso e abuso de drogas psicotrópicas. Cada equipe mobiliza a criatividade de cinco estudantes, com um professor orientador. Este ano, houve 45 vídeos inscritos. A comissão técnica selecionou três vídeos em cada categoria, que foram publicados no site Rioeduca e submetidos à votação popular, entre os dias 2 de outubro e 15 de novembro.

Simone Monteiro, assessora-chefe da Integração da MultiRio, ressaltou que o concurso se reinventa a cada edição: “Começou com redação, migrou para esquetes teatrais e agora contempla a linguagem audiovisual. Uma das novidades deste ano foi a votação popular, que gerou mais visibilidade para os vídeos e, consequentemente, atingiu mais jovens com a mensagem de prevenção”.

Paralelamente ao concurso foram realizadas rodas de conversa com profissionais de educação da Rede Pública Municipal de Ensino, tendo como mediador e dinamizador um psicólogo do Núcleo Interdisciplinar de Apoio às Escolas (Niap).

Relacionados
Mais Recentes