04 Outubro 2017
0
0
0
s2sdefault
 

Em círculo, grupo debate assuntos relacionados à adolescência (Foto: Alberto Jacob Filho)

Depois de observar o número crescente de alunas grávidas na E.M. Coelho Neto (6ª CRE), em Ricardo de Albuquerque, a professora Márcia Freire não teve dúvidas: era preciso ouvir, informar e orientar as meninas. Foi, então, que ela propôs à Direção da escola a disciplina eletiva Conversa Franca, voltada apenas para meninas do 8º e 9º anos – o que foi aceito prontamente.

A eletiva é semestral e já está em seu quarto ano. Os encontros acontecem uma vez por semana, no contraturno, e abordam temas como drogas – destaque para o álcool e o ecstasy, os mais comuns nos relatos –, racismo, empoderamento feminino, métodos contraceptivos, transtornos alimentares, homossexualidade, entre outros. “Começamos pela gravidez, mas abriu-se um leque enorme de assuntos. Elas escolhem sobre o que querem falar e, às vezes, ficamos duas ou três semanas no mesmo tema”, explica Márcia, que é professora da Sala de Recursos.

A turma é formada por cerca de 30 alunas, que se inscrevem no início do semestre. Então, a professora envia um documento sobre o que será abordado e solicita a autorização dos pais das alunas interessadas. “Montamos uma rede com o Programa Saúde na Escola (PSE Carioca), a Clínica da Família, o Programa Interdisciplinar de Apoio às Escolas (Proinape), mas precisamos do apoio e da participação da família”, reforça Márcia.

A professora conta que, normalmente, escuta mais do que fala. “Todo mundo quer ter alguém com quem se abrir, não ser apontado ou julgado pelo que fez e ter um auxílio. Juntas, formamos uma rede: o que eu falo elas podem falar para todos. Mas o que elas contam não pode sair daqui, senão vira fofoca. Tem dado muito certo e até os meninos ficam curiosos para saber o que se passa na sala.”

Segundo Márcia, os relatos são os mais variados. “Já tivemos depoimentos de meninas que sofreram abuso sexual, inclusive em casa, do pai. A automutilação é muito frequente, e até já perdemos uma aluna, que acabou se suicidando, no primeiro ano da eletiva. Além dos casos de violência, namorados que foram presos, colegas mortos em conflitos...”, diz a professora, ao ressaltar que a maior parte dos alunos da escola vive no Complexo do Chapadão. “Os responsáveis matriculam as crianças aqui porque essa escola é mais distante da comunidade. Então, é menor o risco de eles perderem aulas.”

Depois que os casos são expostos, a professora parte para uma conversa individual. “Pergunto com quem da família poderíamos falar sobre o ocorrido, para que elas não se sintam sozinhas em casa. Busco conscientizá-las e orientar sobre onde buscar ajuda e informações.”

Por dentro dos encontros 

A professora Márcia Freire (Foto: Alberto Jacob Filho)

Em sala, Márcia também organiza sessões de cinema seguidas de debate, propõe encenações teatrais e estimula que as alunas escrevam sobre o que estão sentindo. “Elas passam a se expressar melhor. Durante as aulas, descobrimos talentos, tanto no teatro como na poesia. Muitas integrantes do grupo de poesia da escola saíram daqui, inclusive. Também incentivo que escrevam diários e, caso queiram, me mostrem. Assim, consigo trabalhar até o texto.”

Outra prática adotada é a proposição de dinâmicas. “Uma vez, pedi que as meninas, durante um dia, cuidassem de um ovo, sem esquecê-lo, deixá-lo quebrar ou abandoná-lo. No final, uma esqueceu no banheiro, a outra deixou cair no chão e, a partir disso, eu perguntei: será que vocês estão preparadas para ter filhos? É isso que vocês querem?”, relembra.

Na visão das alunas, a eletiva é também uma oportunidade de trocar confidências. “Já aprendi muito sobre gravidez, a aula é muito boa, ensina coisas sobre o adolescente. E é mais legal ser só com meninas porque posso desabafar tudo o que eu quiser!”, conta Kellen Gonçalves, 13, aluna do 8º ano.

“É um diálogo entre meninas, conseguimos nos identificar umas com as outras e tudo o que falamos aqui fica aqui. Estamos expondo nossa vida, né? Quando tenho um problema, não consigo guardar para mim. Então, quando venho para cá, é a minha chance de desabafar. E as pessoas me dão conselhos. Tem gente que a mãe não orienta, mas aqui temos conversas para nos orientar”, comenta Janaína Cunha, 14, do 9º ano.

Em dois momentos no semestre, cerca de dez rapazes são convidados a participar de uma aula. “Elas escolhem os meninos que querem chamar e contam a eles como se sentem diante de várias situações. Eles, claro, têm o direito de resposta. As queixas são as mais variadas. Elas reclamam que eles são ‘galinhas’, eles dão a entender que elas são interesseiras e só querem voltar do baile com quem tem moto...”, exemplifica Márcia.

O sucesso da eletiva é tão grande que, ao final do semestre, ninguém quer sair da turma. “Tem até fila de espera para participar da eletiva!”, conta a professora, que até hoje participa de um grupo no WhatsApp com as alunas da primeira turma formada.

Outras escolas da região também se mostraram interessadas em replicar a ideia, criando eletivas similares, voltadas apenas para meninas e também para grupos mistos.

Parceria com Coletivo propõe oficina de comunicação livre

Neste ano, a Direção da escola foi procurada pelo Coletivo Escambo Cultural, de Sulacap, para apresentar o projeto Escambo de Ideias, cujo objetivo é oferecer ferramentas para que os alunos sintam-se habilitados a produzir conteúdo de opinião e jornalístico, e também criar espaços de discussão e troca de ideias sobre temas da atualidade sugeridos por eles mesmos.

A proposta foi ao encontro do trabalho da professora Márcia Freire, que reservou cinco aulas para as atividades do Coletivo. Nelas, foi desenvolvida uma oficina de criação de um fanzine estudantil, em que as alunas aprenderam técnicas de jornalismo, pensaram os assuntos que pautariam a publicação, construíram e montaram manualmente a revista. O resultado final foi impresso e disponibilizado para os alunos da escola.

Essa foi a primeira edição do Escambo de Ideias, que, na Rede Pública Municipal de Ensino, também foi realizado na E.M. Bolívar (3ª CRE), no Engenho de Dentro, e na E.M. André Vidal de Negreiros (10ª CRE), em Santa Cruz. Segundo Clara Sthel, coordenadora do projeto, as escolas foram escolhidas a partir de conversas e debates sobre a concentração de projetos sociais em áreas centrais das zonas Norte e Oeste. “Tentamos descentralizar nossas ações indo para escolas públicas de diferentes áreas”, explica.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes